Image

Volkswagen Polo e Virtus GTS chegam no início de 2020 resgatando sigla que foi sonho de consumo no anos 80 e 90

27

set
2019

Destaques do Salão do Automóvel de São Paulo de 2018, os Volkswagen Polo e Virtus GTS deixarão de ser conceitos para ressuscitar a sigla que foi sinônimo de esportividade e sonho de consumo da juventude nas décadas de 1980 e 1990. Ainda sem data exata e preços definidos, a dupla será lançada no início do ano que vem.

Entretanto, a Volks já antecipou algumas informações dos modelos, que sofrerão mudanças nas versões definitivas para reduzir custos de produção. As rodas de liga leve de 18 polegadas, por exemplo, serão substituídas por um jogo de 17″ – o maior diâmetro homologado para Polo e Virtus no Brasil.

A motorização 1.4 turbo flex dos esportivos é a mesma usada no sedã Jetta e no SUV T-Cross Highline, mantendo os 150 cv de potência e 25,5 kgfm de torque, sempre combinada ao câmbio automático Tiptronic de seis velocidades.

Fora isso, alguns componentes e ajustes são específicos dos GTS. As mudanças no motor são restritas ao remapeamento do acelerador e da injeção direta de combustível. Um seletor com quatro modos de condução modifica a entrega de potência e torque de acordo com a preferência do motorista. Na função esportiva, a direção ganha peso e precisão, enquanto as respostas do motor ficam mais ágeis e um dispositivo conectado à central eletrônica do carro emula um ronco encorpado para dentro da cabine.

Duas voltas no Autódromo da Fazenda Capuava, no interior de São Paulo, foram suficientes para sentir a pegada esportiva do Polo GTS. Os dados de desempenho não foram divulgados, mas o hatch provou ser até mais esperto que um Golf com a mesma motorização. O 1.4 turbo empurra o hatch com vontade em retomadas e acelerações nas saídas de curva.

Se o câmbio automático faz os puristas torcerem o nariz, no entanto, não decepciona numa condução mais ousada. A transmissão não empolga como uma caixa manual, mas permite acelerar o Polo GTS até a faixa de corte do motor e aceita reduções a giros elevados no modo esportivo.

Mas o acerto do chassi é o que realmente instiga quem está ao volante. As suspensões com amortecedores mais firmes e componentes desenvolvidos especificamente para os GTS propiciam um comportamento bem equilibrado em curvas. Na dianteira, a barra estabilizadora teve a espessura ligeiramente aumentada de 20 milímetros para 21 mm, enquanto o sistema traseiro recebeu um eixo de maior rigidez torcional. Os freios, a disco nas quatro rodas, são os mesmos do Polo Highline 1.0 TSI.

Os controles de estabilidade e tração também foram reconfigurados para lidar com a potência maior, segundo José Luiz Loureiro, engenheiro responsável pelo desenvolvimento dos carros.

Visualmente, a dupla adota o estilo do Polo GTI europeu. A dianteira recebeu para-choque com tomadas de ar redesenhadas e faróis full LED com uma faixa vermelha que atravessa a frente do carro. Na traseira, o Polo conta com ponteira dupla de escape e spoiler sobre a tampa do porta-malas, enquanto o Virtus possui um pequeno aerofólio pintado de preto.

Por dentro, o toque da sigla GTS está no volante de base achatada e nos contornos em vermelho nas molduras das saídas do ar-condicionado. Os novos bancos, parcialmente revestidos de couro com encosto inteiriço e abas laterais mais envolventes, até remetem vagamente aos icônicos Recaro que equipavam os antigos Gol e Passat GTS (entre outros Volkswagen da época).

A lista de equipamentos deverá ser parecida com a da versão Highline, incrementada com os principais opcionais: painel digital configurável Active Info Display, central multimídia Discover Media com tela de 8 polegadas sensível ao toque, câmera de ré, sensor de chuva e faróis com acendimento automático.

Teste-drive a convite da Volkswagen
Fotos: Guilherme Silva

Sobre o autor

Editor. Começou a trabalhar no Carsale em 2012, mas gosta e acompanha o universo automotivo desde que se conhece por gente. Prefere carros compactos e práticos, mas se diverte da mesma forma quando avalia um utilitário no fora-de-estrada ou acelera um superesportivo num autódromo.