Image

Peugeot 5008 perde menos valor no 1º semestre; Fiat Toro tem pior resultado

01

ago
2019

Um estudo comparativo dos preços de mais de 400 versões de carros à venda no Brasil mostrou que o Peugeot 5008 foi o modelo com menor perda de valor no primeiro semestre deste ano, enquanto a Fiat Toro registrou a maior.

Pouco relevante no mercado brasileiro, o crossover 5008 (a partir de R$ 178.690), vendido apenas na configuração de sete lugares, perdeu apenas 0,59% do valor no período. A importância da Toro, picape compacta de cabine dupla (a partir de R$ 92.990), é diametralmente oposta — é um dos modelos estratégicos da Fiat e está prestes a ser copiada pela Volkswagen — e sua posição no ranking da depreciação, também: perdeu 18,06% no primeiro semestre.

Outros carros com bom desempenho nos preços foram os Toyota Hilux e Yaris Hatch, com perda de 1,92% e 2,01% no primeiro semestre de uso, respectivamente. Depois vêm os Volkswagen Golf e Fox, com 2,27% e 2,65% de depreciação.

Na outra ponta do ranking, o segundo modelo mais depreciado foi outra picape da Fiat, a veterana Strada, com altos 17,83% — apesar de ser um carro de grande liquidez no mercado de seminovos e usados. Em seguida vem uma trinca de modelos da Ford, montadora que anunciou o fim de suas operações com carros de passeio este ano: Focus Fastback (sedã), com 17,76%; Focus hatch, com 16,18%, e Ka Sedan, com 15,91%.

LEIA MAIS SOBRE MERCADO
+ Importados de Audi, Mercedes e Volks perdem menos que o nacional flex
+ Líder global, Toyota vende quase 600 mil carros no 1º semestre
+ Chevrolet Classic é o usado com menor perda até julho
+ Carro 1.0 flex tende a desvalorizar menos na revenda

Fiat e Ford tiveram quatro carros cada entre os dez modelos com maior depreciação. Veja na tabela abaixo os dados completos divulgados pela KBB:

O estudo foi feito e divulgado pela KBB Brasil, multinacional especializada em análise do mercado automotivo. Os preços dos carros novos (ano-modelo 2019) foram comparados com seus preços já na condição de seminovos entre janeiro e junho deste ano. Não foram analisados carros sem unidades seminovas no mercado ao longo do primeiro semestre.

Segundo a KBB, a metodologia do estudo usou o conceito de depreciação por modelo, aplicando um índice ponderado que atribui pesos diferentes às versões conforme seu volume de vendas.

Imagens: divulgação