Image

Toyota Corolla híbrido terá motor 1.8 flex de 101 cv e elétrico de 72 cv

26

jul
2019

Logo após o site Autos Segredos publicar que o Corolla atual sairá de linha em agosto para iniciar a fabricação da nova geração em setembro, a Toyota se antecipou e anunciou detalhes da motorização híbrida da nova geração.

O conjunto será o mesmo do Prius, porém, adaptado com a tecnologia bicombustível para rodar com etanol. Segundo a Toyota, o novo Corolla será o automóvel movido a etanol mais eficiente do Brasil e o híbrido mais limpo do mundo. A marca informa que o sedã combinará o propulsor elétrico de 72 cv de potência com o motor 1.8 a combustão cuja potência de 98 cv foi elevada para 101 cv quando abastecido com etanol. A potência combinada, no entanto, não foi revelada (no Prius, movido apenas a gasolina, são 123 cv).

A Toyota aproveitou também para esclarecer possíveis desconfianças com relação à durabilidade do sistema híbrido. Todo o conjunto terá oito anos de garantia contra defeitos de montagem e fabricação.

O novo Corolla é o lançamento mais importante da marca no Brasil nos últimos anos, tanto para vendas, quanto no sentido de ampliar a gama de híbridos da marca no país. Além do consagrado (ao menos no exterior) Prius, a Toyota já vende por aqui a nova geração do SUV RAV4 e modelos da marca de luxo Lexus.

O novo Corolla feito no Brasil seguirá o estilo da versão europeia. Construído sobre a moderna plataforma TNGA (a mesma do híbrido Prius), o sedã ganhou suspensão traseira multilink e está ligeiramente maior que o modelo atual em algumas medidas: ganho de 2 centímetros no comprimento (4,64 metros) e 1 cm na largura (1,78 m). No entanto, a distância entre-eixos de 2,70 m foi mantida. É possível que o Corolla brasileiro seja um pouco mais alto que o modelo europeu (1,43 m) por conta das suspensões modificadas para as nossas condições de rodagem.

Além da motorização híbrida, o sedã também será vendido em versões equipadas com um novo motor 2.0 aspirado com bloco de alumínio e injeção direta de combustível. Nos Estados Unidos e Europa, esse propulsor entrega 170 cv e 20,9 kgfm (o atual gera 154 cv e 20,7 kgfm), números que também podem ser incrementados com etanol.

Apesar do torque idêntico ao do motor usado atualmente, a nova unidade privilegiará a entrega de força em rotações mais baixas, favorecendo arrancadas e retomadas de velocidade.

A transmissão automática de variação contínua (CVT) também será nova. A caixa com simulação de sete velocidades conta com um sistema de engrenagens para dar mais agilidade ao sedã em arrancadas.

Fotos: Divulgação

Sobre o autor

Jornalista e palmeirense, Renan Rodrigues de Oliveira, em alusão ao colega de profissão Nelson, prefere usar o primeiro sobrenome. Versátil, Renan fotografa, filma, ilustra, edita vídeo e áudio e se arrisca nas redes sociais. Acompanha em cima os lançamentos do mundo automotivo, prefere os compactos com vocação esportiva, mas pilota até carrinho de mão, se necessário.