Image

Eletricidade vai matar o Audi TT, que mudou a cara da marca alemã

24

mai
2019

A Audi vai parar de fabricar o TT, seu cupê esportivo que, lançado em 1998, foi um divisor de águas para o design da marca alemã, mas que tornou-se obsoleto num mundo em que o presente é dominado pelos SUVs, e o futuro, por carros elétricos.

CARSALE RECOMENDA:
+ Conheça a Mitsubishi L200, picape casca-grossa
+ Prefere SUV? Tem o Mitsubishi Eclipse Cross
+ Suzuki Vitara: estilo que faz sentido

Não foi feito um anúncio oficial do fim do TT, nem há uma data certa para isso — mas, no encontro anual da Audi, realizado na Alemanha esta semana, o CEO Bram Schot afirmou que a eletrificação da gama — a maioria dos modelos será de elétricos já em 2025 — imporá o fim de carros de vendas modestas e/ou pertencentes a nichos de mercado em baixa (ou que entrarão em baixa).

Audi TT RS ano-modelo 2019

Audi TT RS ano-modelo 2019

O TT, sempre com duas portas e cabine configurada na proposta 2 + 2 (assentos generosos para motorista e passageiro, banco de trás apertado para dois passageiros extras) se encaixa nesse perfil e será descontinuado “em alguns anos”, segundo citações de Schot publicadas na imprensa internacional nesta quinta-feira (23). O modelo será substituído por um novo, descrito como “emocional” (termo que, em geral, refere-se a um carro esportivo) com propulsão totalmente elétrica.

Aparentemente, reformular o próprio TT e transformá-lo num esportivo elétrico não é uma opção. O cupê é curto (pouco menos de 4,2 metros), e por isso teria de ser alongado para acomodar bateria e dois motores (um em cada eixo, caso a Audi queira manter a tração integral). A plataforma modular MQB permitiria a operação — mas o carro resultante ainda seria um TT?

Audi TT Coupé ano-modelo 1999

Audi TT Coupé ano-modelo 1999

De resto, o modelo vende pouco. Teve um pico em 2000/01, quando emplacou cerca de 12 mil unidades por ano nos Estados Unidos. Em 2018, foram 1.289. No Brasil, o TT é oferecido em cinco configurações: TT Coupé e Roadster, TTS Coupé e Roadster, e TT RS Coupé. Os propulsores são turbo com injeção estratificada de gasolina — há duas opções, de 2 e 2,5 litros (286 cv e 400 cv).

O site oficial da Audi não informa os preços. Na Tabela Fipe, a gama vai de R$ 275 mil a R$ 429 mil. Segundo a Fenabrave (associacão das montadoras), foram emplacadas 119 unidades do TT no Brasil em 2018, e 21 este ano até o final de abril.

Imagens: divulgação
“Carsale Recomenda” é uma ação publicitária independente do conteúdo editorial.