Image

Ford EcoSport Titanium, sem estepe e com motor menor, se assume como SUV urbano

01

abr
2019

Em quase toda notícia sobre SUVs surgem comentários chamando o modelo em questão de “utilitário esportivo de shopping” e outros apelidos para ressaltar a falta de capacidade fora-de-estrada desses carros. No entanto, a gente nunca espera esse tipo de comportamento vindo da própria fabricante.

Mas a chegada do Ford EcoSport Titanium 1.5 automático foi assim. A marca assumiu que oferece um produto de vocação urbana, deixando a capacidade off-road (ou a promessa dela) para a configuração Storm 4×4 2.0 automática (veja o teste aqui). A retirada do estepe da traseira é o símbolo dessa proposta.

O EcoSport na então versão topo de linha Titanium usava o motor 2.0 Duratec Direct Flex herdado do Focus. O propulsor se destaca pela injeção direta e duplo comando de válvulas variável, e deu ao “Eco” o posto de SUV compacto mais potente do mercado, graças aos 176 cv de potência e 22,4 kgfm de torque (com etanol). Ele permanece no EcoSport Storm, mas no Titanium foi substituído pelo 1.5 de três cilindros, denominado Dragon.

O motor menor, que já equipava outras versões, também possui duplo comando com variação na admissão e no escape, entregando 137 cv e 16,3 kgfm de torque. No caso da Titanium, a única opção de câmbio é a automática com conversor de torque e seis marchas.

O EcoSport Titanium pós-facelift com motor 2.0 tinha preço inicial de R$ 93.990 e chegou a custar R$ 100.590; agora, com o motor Dragon 1.5 e sem estepe, esperava-se redução do preço. Mas isso não aconteceu: o EcoSport Titanium 1.5 AT chega por R$ 103.890. E a versão perdeu o farol de xenônio.

Parte desse valor pode ser explicada pelo uso de pneus Michelin do tipo run flat, que conta com reforços estruturais nos flancos, ombros e talões (a lateral e o aro de fixação na roda). Eles podem rodar com pressão zero por até 80 km, sem ultrapassar os 80 km/h; ou por 200 km se o motorista usar o kit de reparo com selante que vem de fábrica.

Segundo a Ford, o valor de tabela de cada um dos pneus é R$ 899, cerca de R$ 200 a menos que o convencional (podendo custar, em média, R$ 1.000 a unidade em lojas especializadas).

O EcoSport Titanium pode ser considerado bem equipado, já que conta com controles de tração e estabilidade com assistente de partida em rampas, sete airbags, teto-solar, bancos em couro claro, sistema multimídia SYNC 3 com espelhamento de smartphones, partida e abertura de portas com chave presencial, painel de instrumentos com tela de 4,2″, sistema de som assinado pela Sony, ar-condicionado automático, piloto automático e rodas de 17 polegadas.

Com novos pneus e sem estepe atrás, a Ford precisou reajustar a suspensão do SUV. Rodando normalmente, é praticamente impossível notar as diferenças. O modelo segue filtrando bem as imperfeições, que são sentidas somente quando se passa de maneira mais rápida, sem dar tempo ao conjunto de amortecimento compensar a rigidez dos pneus. O restante do comportamento dinâmico é o mesmo das demais versões do EcoSport.

Em relação ao desempenho, há uma perda considerável na nova versão Titanium em relação à linha anterior, uma vez que são 6 kgfm de torque a menos e quase 40 cv de diferença, sendo que o peso é quase o mesmo (perdeu apenas 5 kg), apesar da abolição do estepe pendurado na tampa do porta-malas. Na cidade, o conjunto mecânico é suficiente para garantir desempenho razoável, uma vez que o torque é entregue em baixas rotações, mas na estrada a potência inferior é mais sentida.

Aliás, a tampa do porta-malas de 356 litros depõe contra a vocação urbana, uma vez que continua abrindo lateralmente (como nas versões com estepe externo), dificultando o uso do compartimento de bagagens em lugares ou vagas apertadas.

Em relação aos concorrentes, o EcoSport Titanium até tem uma boa lista de equipamentos, especialmente porque a maioria dos concorrentes custa consideravelmente mais. No entanto, a chegada do Volkswagen T-Cross, especialmente nas versões com motor 1.0 TSI, deve acionar o sinal de alerta do SUV da Ford.

O teste instrumentado feito em pista pelo Instituto Mauá de Tecnologia mostra as diferenças de desempenho e consumo entre as versões 1.5 e 2.0:

Teste Carsale-Mauá

 
EcoSport Titanium 1,5 Run Flat
EcoSport Titanium 2.0
Consumo cidade5,6 km/l (e)
7,9 km/l (g)
6,9 km/l (e)
8,8 km/l (g)
Consumo estrada10,9 km/l (e)
14,7 km/l (g)
10,8 km/l (e)
13,9 km/l (g)
0 a 60 km/h5,41 segundos (e)
5,70 segundos (g)
4,54 segundos (e)
4,79 segundos (g)
0 a 100 km/h12,67 segundos (e)
13,32 segundos (g)
10,21 segundos (e)
10,62 segundos (g)
0 a 120 km/h18,95 segundos (e)
20,11 segundos (g)
14,39 segundos (e)
14,91 segundos (g)
Retomada 40 a 100 km/h16,22 segundos (e)
17,40 segundos (g)
7,65 segundos (e)
8,01 segundos (g)
Retomada 80 a 120 km/h10,54 segundos (e)
11,39 segundos (g)
7,41 segundos (e)
7,58 segundos (g)
Aceleração em 400 metros18,72 segundos - 119,38 km/h (e)
19,08 segundos - 117,10 km/h (g)
17,24 segundos - 130,33 km/h (e)
17,49 segundos - 129,29 km/h (g)
Aceleração em 1000 metros34,69 segundos - 147,05 km/h (e)
35,31 segundos - 144,51 km/h (g)
32,05 segundos - 158,58 km/h (e)
32,50 segundos - 156 km/h (g)
Frenagem 100 a 0 km/h49,7 metros49,1 metros

Ficha técnica

 
Ford EcoSport 1.5 Titanium AT
CarroceriaMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, transversal, aspirado, injeção multiponto, duplo comando de válvulas variável na admissão e escape acionado por corrente, a gasolina e/ou etanol
Número de cilindros3 em linha
Número de válvulas12 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão12:1
Cilindrada1.499 cm³
Potência (gasolina/etanol)130/137 cv
Torque (gasolina/etanol)15,6/16,2 kgfm
TransmissãoAutomática de 6 marchas
TraçãoDianteira
DireçãoElétrica
Suspensão dianteiraIndependente tipo McPherson
Suspensão traseiraEixo de torção
Pneus e rodas205/50 R17 com tecnologia Run Flat, liga leve de 17 polegadas
Freios dianteirosDiscos ventilados
Freios traseirosTambor
Tanque de combustível 52 litros
Volume do porta-malas 356 litros
Altura1,69 m
Comprimento4,26 m
Largura1,76 m
Entre-eixos 2,51 m
Peso em ordem de marcha1.272 kg
Carga útil433 kg
Altura livre do solo20 cm
Ângulo de entrada21,5 º
Ângulo de saída31,5 º

Sobre o autor

Jornalista e palmeirense, Renan Rodrigues de Oliveira, em alusão ao colega de profissão Nelson, prefere usar o primeiro sobrenome. Versátil, Renan fotografa, filma, ilustra, edita vídeo e áudio e se arrisca nas redes sociais. Acompanha em cima os lançamentos do mundo automotivo, prefere os compactos com vocação esportiva, mas pilota até carrinho de mão, se necessário.