Image

Porsche Cayenne Turbo: aceleramos na lama o SUV que pode custar mais de R$ 1 milhão

25

mar
2019

Provavelmente você nunca viu (ou nunca verá) um Porsche Cayenne tão sujo quanto o da foto acima. Responsável por lançar a marca de Stuttgart no mercado de utilitários esportivos de luxo há 17 anos (apesar da rejeição dos puristas), o SUV é o tipo de carro que quase ninguém teria coragem de colocar numa trilha com barro, pedras, entre outros tipos de obstáculos. E foi exatamente o que fizemos com o novo Cayenne Turbo, a versão topo de linha que pode chegar a custar mais de R$ 1 milhão com os mais variados opcionais (parte de R$ 733 mil).

Com o aval da Porsche, testamos o Cayenne Turbo em um percurso off-road nas dependências do autódromo Velo Città, no interior de São Paulo. O objetivo do teste não era comparar o SUV esportivo com um legítimo fora-de-estrada, mas provar que ele pode encarar desafios, até certo ponto, longe do asfalto.

Em sua terceira geração, lançada em 2017, o Cayenne está 6,3 centímetros maior que o modelo anterior. Ainda assim, a nova plataforma reduziu em aproximadamente 10 kg o peso da versão Turbo (2.175 kg), atingindo uma ótima relação peso/potência de 3,9 kg/cv.

O motor 4.0 V8 biturbo a gasolina, combinado ao câmbio automático de oito marchas com conversor de torque e ao sistema de tração integral com distribuição automática e bloqueio de diferencial, garante força mais que suficiente para superar obstáculos como os do teste. Afinal, o propulsor entrega nada menos que 550 cv de potência e 78,5 kgfm de torque.

Antes de jogar o Cayenne Turbo na lama, selecionamos o modo Off Road na tela de 12,3 polegadas da nova central multimídia (também pode ser acionado no botão sensível ao toque no console central, que agora está com uma aparência mais limpa e intuitiva sem a aglomeração de teclas das gerações anteriores). É necessário esperar alguns segundos até a eletrônica bloquear os diferenciais central e traseiro e a suspensão pneumática levantar o carro – o sistema varia a rigidez e a altura em relação ao solo entre 16 cm (para velocidades mais altas) e 24,5 cm.

A primeira tarefa era atravessar um trecho enlameado que estava bastante escorregadio por conta das chuvas do dia anterior. O Cayenne Turbo passou fácil, exigindo apenas algumas correções da traseira que teimava em derrapar pela falta de aderência dos pneus Michelin para asfalto.

O segundo obstáculo era uma íngreme rampa que qualquer veículo 4×4 com os pneus adequados superaria com pouco esforço. O Cayenne Turbo não subiu de primeira, uma vez que os pneus cheios de barro patinavam sobre a superfície de terra batida. Na segunda tentativa, bastou recuar alguns metros e acelerar com vigor o motorzão V8 biturbo para ganhar embalo e continuar o percurso.

No decorrer do teste, o Cayenne Turbo mostrou que é capaz de chegar com segurança até a casa da fazenda ou a uma praia mais afastada. Em nenhum momento o SUV ameaçou raspar o assoalho ou os para-choques no chão. A suspensão pneumática controlou bem a movimentação da carroceria, até mesmo em um exercício de inclinação lateral de 45º, garantindo boa dose de conforto mesmo nos trechos acidentados. A maior preocupação, no entanto, era não danificar as rodas de 21 polegadas e os pneus de perfil baixíssimo em alguma pedra pelo caminho.

Infelizmente não foi possível acelerar o jipão no traçado do Velo Città, pois o autódromo estava reservado para o teste do novo 911 Carrera S/4S (veja aqui as primeiras impressões).

Como todo Porsche, o Cayenne Turbo tem uma ergonomia que prioriza uma tocada mais esportiva. O painel de instrumentos digital com conta-giros analógico centralizado reproduz virtualmente quatro mostradores. A chave à esquerda do volante, de ótima empunhadura, foi mantida em respeito à tradição da marca em competições no passado.

Apesar do porte, o Cayenne não possui a opção de sete lugares em nenhuma versão, mas acomoda bem cinco adultos e leva até 745 litros de bagagem no porta-malas. O acabamento da cabine é impecável, com materiais e couro de excelente qualidade, além do revestimento de Alcantara no teto. O ar-condicionado automático de quatro zonas e o sistema de som premium Burmester (R$ 26.588) contribuem para deixar o ambiente ainda mais agradável.

A lista de opcionais é farta, permitindo ao comprador personalizar o Cayenne Turbo do jeito que bem entender. Ao SUV podem ser incorporados desde uma série de combinações de acabamento interno a jogos de rodas de 22” que podem custar mais de R$ 21 mil. O Cayenne Turbo pode receber também detalhes externos em fibra de carbono (R$ 38.969), vidros laminados com isolamento térmico e acústico (R$ 7.104), engate traseiro elétrico (R$ 7.036) e diferentes tipos de emblemas de preços variados.

Itens voltados ao desempenho também são vendidos à parte: Pacote Sport Chrono com seletor de modos de condução (R$ 6.345), escapamento esportivo (R$ 16.483), eixo traseiro direcional (R$ 11.862), Pacote Offroad (R$ 10.347) e até freios de composto cerâmico (R$ 34.554).

Faróis de LED escurecidos (R$ 8.864), assistente automático de estacionamento com câmera 360º (R$ 4.276), piloto automático adaptativo (R$ 9.861), Head-Up Display (R$ 8.484) e assistente de visão noturna (R$ 12.858) são alguns dos equipamentos de segurança e conveniência que também fazem parte da extensa lista de opcionais do SUV.

É praticamente improvável que alguém tenha coragem de colocar um Cayenne Turbo na terra depois de desembolsar uma quantia suficiente para comprar um bom apartamento. Luxuoso e refinado, o SUV provou que pode ser versátil, embora a sua vocação seja mesmo a de rodar no asfalto bem conservado, onde pode acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,9 segundos e atingir velocidade final de 285 km/h, com direito a um comportamento dinâmico exemplar favorecido pelo aerofólio traseiro adaptativo, inspirado no recurso usado no 911 para aumentar a aderência das rodas traseiras e melhorar a capacidade de frenagem.

Teste-drive a convite da Porsche
Fotos: Guilherme Silva e Divulgação

Ficha técnica

 
 
CarroceriaMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, longitudinal, oito cilindros, biturbo, intercooler, injeção direta, duplo comando de válvulas acionado por corrente na admissão e escape, a gasolina
Número de cilindros8 em V
Número de válvulas32 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão10,1:1
Cilindrada3.996 cm³
Potência 550 cv a 5.750 rpm
Torque78,5 kgfm a 1.950 rpm
TransmissãoAutomática de 8 marchas
TraçãoIntegral
DireçãoElétrica
Suspensão dianteiraIndependente multibraço
Suspensão traseiraIndependente multibraço
Pneus e rodas dianteiros285/40 R21, liga leve de 21"
Pneus e rodas traseiros315/35 R21, liga leve de 21"
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Tanque de combustível 90 litros
Volume do porta-malas 745 litros
Altura1,67 m
Comprimento4,51 m
Largura1,98 m
Entre-eixos 2,89 m
Peso em ordem de marcha2.175 kg
0 a 100 km/h3,9 segundos
Velocidade máxima285 km/h
Preço básicoR$ 733.000

Sobre o autor

Editor-assistente. Gosta e acompanha o universo automotivo desde que se conhece por gente. Prefere carros compactos e práticos, mas sempre se diverte quando precisa avaliar um utilitário no fora-de-estrada ou acelerar um superesportivo num autódromo.