Image

Fazendo hora extra: GM desmente fim da Chevrolet Montana

25

mar
2019

Um dos modelos mais defasados do mercado brasileiro deve continuar em linha nos próximos meses — talvez anos. A picape compacta Chevrolet Montana, ao contrário dos rumores de morte iminente, seguirá sendo fabricada, e “firme e forte”, como disse ao Carsale uma fonte da General Motors no Brasil.

Chevrolet Montana 2019: só cabine simples, "firme e forte"

Chevrolet Montana 2019: só uma opção de cabine, “firme e forte”

Lançada em 2010, a atual Montana é o que restou da Chevrolet moldada em torno do compacto Agile, modelo que durou sete anos nas lojas com bom desempenho inicial de vendas, porém, descontinuado em 2016 após agonizar durante quatro anos com a chegada do Onix, em 2012. Ostentando a mesma dianteira de faróis exagerados que marcou o extinto hatch, a picapinha parece estar fazendo hora extra no mercado há pelo menos três anos.

O que a afirmação do executivo da GM significa, basicamente, é que a extinção e/ou renovação total da Montana está no fim da fila das prioridades da montadora no Brasil.

O destino da picapinha, qualquer que seja, fica para ser definido provavelmente no ano-modelo 2022, depois que toda a atual gama compacta da GM seja substituída pela nova geração do Onix e derivados. Talvez só a Spin, um belo exemplo de carro que só poderia dar certo no Brasil, demore mais para ser mexida.

Qual o segredo da Montana?

Na verdade, são três: custo de produção irrisório (o investimento em sua linha já foi amortizado), demanda consistente — apesar de baixa — e mercado de nicho.

Disponível apenas com cabine estendida, a Montana emplacou cerca de 1.800 unidades este ano até o final de fevereiro, de acordo com a Fenabrave. Fiat Strada e Volkswagen Saveiro venderam muito mais: 17 mil no total, mas essa conta inclui versões de cabines estendida e dupla.

Cerca de 85% das vendas da Montana este ano foram a pessoas jurídicas, vale dizer, entidades com CNPJ que adquirem o carro para uso comercial. Este tipo de comprador, evidentemente, não está preocupado com a idade avançada da plataforma da Montana, e os preços das três opções existentes são praticamente iguais (na faixa de R$ 52 mil).

Resumindo: o fantasma do Agile ainda vagará pelas ruas do Brasil por um tempo.

Imagens: Divulgação GM