A manutenção preventiva do veículo é a única maneira de garantir a segurança de motoristas e passageiros nas estradas. Nesse sentido, realizar o rodízio dos pneus também é fundamental, uma vez que este procedimento permite que o desgaste ocorra de maneira estável, equilibrando o desempenho em termos de dirigibilidade e frenagem.

Mas, afinal, o que é o rodízio de pneus e como fazer? Primeiramente, o rodízio consiste na troca de posição entre os pneumáticos conforme o seu modelo (radial ou diagonal); tipo (simétrico, assimétrico ou unidirecional) e tração (dianteira, traseira ou tração nas quatro rodas).

Já o prazo recomendado para fazer o rodízio varia de acordo com a marca e modelo do veículo. Por isso, a recomendação é seguir o manual de manutenção do carro. Na falta deste, de maneira geral, o rodízio pode ser feito a cada oito mil quilômetros para pneus radiais, e a cada cinco mil para os diagonais.

“Sempre que o rodízio for realizado, é necessário alinhar e balancear as rodas, verificar e ajustar a pressão de inflação (utilizando o valor indicado pelo fabricante do veículo de acordo com a carga transportada), checar as condições das rodas (se não possuem amassados ou trincas, por exemplo) e das válvulas de ar”, destaca José Carlos Quadrelli, gerente geral de Engenharia de Vendas da Bridgestone.

Esquema mostra como funciona os rodízios de acordo com cada caso

Esquema mostra como funciona os rodízios de acordo com cada caso

Vale ressaltar que, caso o motorista não efetue o rodízio, o desgaste dos pneus se processará de maneira desigual, já que normalmente os pneus dianteiros se desgastam mais rapidamente que os traseiros. Com isso, o desempenho dos pneus em termos de dirigibilidade e frenagem é afetado, uma vez que o comportamento dinâmico dos pneus nos dois eixos não será mais uniforme.

+Veja também: Rodízio de pneus serve para todos os carros? Tire suas dúvidas

Confira abaixo seis dicas importantes na hora de realizar o rodízio dos pneus:

  1. As linhas tracejadas indicam trocas alternativas que podem ser feitas em lugar das indicadas pelas linhas sólidas.
  2. Pneus assimétricos: usam os mesmos esquemas de pneus normais (simétricos) já que o rodízio manterá o lado externo montado na parte externa, pois o pneu não é desmontado da roda (não deve ser invertido no aro).
  3. Pneus unidirecionais: usar os esquemas acima, mas se houver necessidade de passar para o lado oposto, deverão ser desmontados e invertidos no aro.
  4. Pneus assimétricos e unidirecionais: pneus que são ao mesmo tempo assimétricos e unidirecionais devem seguir os esquemas de pneus unidirecionais.
  5. Veículos 4×4: executa-se o rodízio em “X” dos quatro pneus (caso não sejam unidirecionais).
  6. Veículos com medidas diferentes nos dois eixos: o rodízio é feito trocando-se os pneus do mesmo eixo entre si.

Imagens: Divulgação