Além da reestilização de meia-vida, que antecipa a troca de geração de um modelo, o Mercedes-Benz Classe C chegou à linha 2019 estreando no Brasil a tecnologia de fonte de energia adicional EQ Boost. Levamos o sedã para a pista de testes do Instituto Mauá de Tecnologia para saber se vale a pena investir na novidade.

Como funciona?
O sistema batizado de BSG (Belt-driven Star Generator) nada mais é que um motor elétrico de 14 cv de potência e 16,3 kgfm de torque, que auxilia o propulsor 1.5 turbo a gasolina de 183 cv e 28,5 kgfm em condições que exigem mais força, como acelerações e retomadas. A eletricidade gerada pelo alternador é armazenada em duas baterias, sendo que a convencional de 12 volts alimenta os sistemas do carro (iluminação, ignição, sistema de entretenimento, etc), enquanto outra de 48 volts fornece energia ao motor elétrico. Embora seja considerado um “híbrido leve”, o C200 EQ Boost não é capaz de se locomover apenas com eletricidade.

O propulsor adicional fica conectado ao virabrequim do motor a gasolina por uma correia e entra em ação para compensar o lag do turbo assim que o motorista pressiona o acelerador. Com o conjunto motriz em funcionamento, a potência e torque combinados chegam a 197 cv e 44,8 kgfm, respectivamente, deixando a condução do sedã mais prazerosa por conta da elasticidade nas acelerações mais intensas e do bom escalonamento do câmbio automático de nove marchas. Um mostrador localizado abaixo do conta-giros no painel informa quando o BSG está em ação ou se ele está usando a energia dissipada nas frenagens para recarregar o sistema. Após o motorista aliviar o acelerador, o motor elétrico passa a funcionar como um alternador que recarrega a bateria de 48 volts ou um conversor que alimenta a de 12 volts.

Apesar da força extra do BSG, o novo motor 1.5 turbo tem funcionamento mais áspero e ruidoso que o 1.6 turbo flex de 156 cv e 25,5 kgfm das versões C180, por exemplo. Mesmo com o motor elétrico adicional, o conjunto fica devendo um pouco de agilidade no uso urbano em comparação com o 2.0 turbo de 184 cv e 30,6 kgfm que equipava o C200 até então. Nos testes de desempenho feitos pelos engenheiros do Instituto Mauá de Tecnologia, o sedã de uma e meia tonelada levou 8,5 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h, registrando um tempo consideravelmente superior aos 7,7 segundos divulgados pela fabricante.

Para poupar gasolina, o modo Eco ativa a função Coasting (roda livre) quando o carro não precisa de potência para manter a velocidade de cruzeiro. Nessa condição, o motor a combustão é desligado e é possível viajar com o conta-giros marcando zero rotação por minuto. O propulsor volta a funcionar quando o motorista acelera ou se o sistema interpretar a necessidade de usar o freio-motor para conter o embalo do sedã.

Nas medições de consumo, o C200 EQ Boost atingiu marcas de 10,4 km/l na cidade e 16,7 km/l na estrada. São números bons, porém, não impressionam se levarmos em consideração a tecnologia empregada justamente para economizar combustível.

No mais, o sedã manteve o rodar confortável e sólido de sempre, absorvendo com eficiência as irregularidades do típico asfalto mal conservado das cidades brasileiras e transmitindo muita segurança nas velocidades de estrada. A combinação de direção precisa, tração traseira e estabilidade exemplar fazem do C200 EQ Boost um carro muito agradável de guiar em viagens longas.

Outra novidade da linha 2019 do Classe C é o volante multifuncional com comandos táteis, que a partir da versão C200 EQ Boost comanda as funções do painel configurável de 12,3 polegadas e da nova central multimídia com tela 10,2”. Enquanto o novo quadro de instrumentos traz um ar de sofisticação e facilita a vida do motorista na hora de visualizar as informações do carro, o sistema de entretenimento vacila por ser comandado apenas pelos botões no console central, uma vez que a tela não é sensível ao toque.

O C200 EQ Boost é equipado de série com sete airbags, controles de estabilidade e tração, câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, partida do motor por botão no painel, teto solar elétrico, bancos de couro, faróis full-LED adaptativos com acendimento automático, volante com ajustes elétricos de altura e profundidade, entre outros. Há até a assistência que avisa por meio de alertas visuais e sonoros uma colisão iminente, chegando a assumir a frenagem do veículo caso o motorista não reaja a tempo. Entretanto, é sentida a falta de alguns “features”, como o controle de cruzeiro adaptativo e os sensores de ponto cego e saída involuntária de faixa, disponíveis em alguns modelos de categorias inferiores.

O C200 EQ Boost (R$ 228.900) conserva as características que fizeram do Classe C um dos sedãs mais consagrados mundialmente: qualidade construtiva primorosa, excelente acabamento interno e dirigibilidade que combina muito bem conforto com um toque de esportividade. Ainda assim, a novidade tem preços muito distantes das versões C180 Avantagarde (R$ 187.900) e C180 Exclusive (R$ 188.900) pelo pouco conteúdo a mais que oferece (sistema BSG, painel digital configurável e central multimídia com tela de 10,2”). Os R$ 40 mil que separam a novidade das variantes de entrada também não compensam a pequena diferença em desempenho.

Teste Carsale-Mauá
 
0 a 60 km/h3,87 segundos
0 a 100 km/h8,5 segundos
0 a 120 km/h11,91 segundos
Aceleração em 5 segundos57,85 metros/71,67 km/h
Aceleração em 400 metros16,14 segundos/140,90 km/h
Aceleração em 1000 metros29,32 segundos/184,05 km/h
Retomada 40 a 100 km/h6,86 segundos
Retomada 80 a 120 km/h5,97 segundos
Frenagem 100 a 0 km/h51,5 metros
Consumo cidade10,4 km/l
Consumo estrada16,7 km/l

Ficha técnica
 
MotorDianteiro, longitudinal, turbo, injeção direta, comando duplo de válvulas na admissão e escape, acionado por correia, a gasolina
Número de cilindros4 em linha
Número de válvulas 16 válvulas (quatro por cilindro)
Cilindrada (cm³)1.497
Potência183 cv
Torque28,5 kgfm
Potência motor elétrico14 cv
Torque motor elétrico16,3 kgfm
TransmissãoAutomática de 9 marchas
TraçãoTraseira
Direção Elétrica
Suspensão dianteira Independente com braços sobrepostos
Suspensão traseiraIndependente multilink
Pneus e rodas225/50 R17
Freios dianteiros Discos ventilados com ABS e EBD
Freios traseiros Discos sólidos com ABS e EBD
Tanque de combustível 66 litros
Porta-malas480 litros
Comprimento4,86 m
Entre-eixos2,84 m
Largura2,02 m
Altura 1,44 m
Peso em ordem de marcha1.505 kg

Fotos: Estúdio Malagrine (Divulgação)