A Volkswagen está lançando nesta quinta-feira (20) a nova geração do sedã médio Jetta, que chega em outubro importada do México nas versões Comfortline 250 TSI (R$ 109.990) e R-Line 250 TSI (R$ 119.990). Ambas são equipadas com a motorização 1.4 TSI flex e a transmissão automática Tiptronic de seis marchas.

A variante de entrada chega na faixa de equipamentos e preços das versões intermediárias dos principais concorrentes do Jetta: Toyota Corolla XEi (R$ 105.990), Honda Civic EXL (R$ 107.990) e Chevrolet Cruze LTZ (R$ 109.790). Já a grife de apelo visual esportivo R-Line fica no meio-termo das configurações topo de linha Cruze LTZ com o pacote de assistências de condução (R$ 118.390), Corolla Altis (R$ 118.990) e Honda Civic Touring (R$ 126.600).

Construído a partir da plataforma modular MQB (a mesma dos modelos Golf, Passat e Tiguan), o sedã está ligeiramente maior que o modelo anterior. O Jetta teve o entre-eixos (2,68 metros) alongado em 3,7 centímetros e cresceu 1 mm na altura (1,47 m), 2,1 cm na largura (1,80 m) e 4,3 cm no comprimento (4,70 m). O porta-malas manteve os 510 litros de capacidade. Em contrapartida, a suspensão traseira independente foi substituída pelo sistema de eixo de torção para reduzir custos de produção.

A cabine acomoda bem quatro adultos, mas o espaço para as pernas do terceiro ocupante do banco traseiro fica um pouco limitado por conta da altura do túnel central. Outro deslize é a perda das saídas do ar-condicionado para quem viaja atrás. Comparando com a geração anterior, o ambiente ganhou uma aparência mais moderna, embora o aspecto ainda seja sóbrio. No entanto, a cabine é bem montada, com material macio ao toque sobre o painel e acabamento correto para um carro da categoria. Pelo menos na unidade testada (versão Comfortline), não foram constatadas peças mal encaixadas ou com rebarbas. Apesar da predominância da tonalidade preta no interior, é possível personalizar, entre as 10 opções disponíveis, a cor da luz ambiente que ilumina a parte inferior do painel e as laterais das portas.

No teste-drive, com trajetos no trânsito de São Paulo e percurso rodoviário, o Jetta agradou bastante. Apesar de o sedã ter ficado maior, o motor 1.4 TSI deu conta de empurrar os 1.331 kg do carro e mais três ocupantes. O propulsor trabalha sempre “cheio”, entregando o torque máximo ao mais leve toque no acelerador. Durante a avaliação, foi comum deixar para trás – sem precisar extrapolar os limites legais de velocidade – alguns concorrentes com motores aspirados que tentaram acompanhar o Jetta em trechos de subida e ultrapassagens. Além da força extra do turbo, o câmbio automático de seis velocidades aproveita bem a potência do propulsor, apesar da programação voltada para o conforto.

Caso o motorista prefira uma tocada mais ousada, basta selecionar o modo Esportivo no botão no console para as luzes da cabine ganharem a coloração vermelha. Nessa condição, a direção, que já é direta e precisa, ganha peso; o acelerador fica mais sensível e o câmbio estica as marchas nas acelerações mais vigorosas.

A adoção da nova plataforma também contribuiu para aumentar a rigidez torcional do carro e, consequentemente, melhorar a sua dinâmica. Embora tenha trocado a suspensão traseira multilink por um sistema mais simples, o Jetta é um carro bem postado, que transmite segurança em curvas mais rápidas, mudanças bruscas de direção e frenagens mais fortes.

A inscrição “250 TSI” colada na traseira faz referência, em Newton metro (Nm), ao torque do motor de 1.4 litro sobrealimentado com turbocompressor e injeção direta de combustível. O propulsor gera 150 cv de potência a 5.000 rpm e 25,5 kgfm de torque entre 1.400 e 3.500 rpm, abastecido com etanol ou gasolina. De acordo com a Volkswagen, o novo Jetta acelera de 0 a 100 km/h em 8,9 segundos e atinge a velocidade máxima de 210 km/h.

Nas medições de consumo do Inmetro, o novo Jetta garantiu a nota B na classificação da categoria, registrando médias de 10,9 km/l na cidade e 14 km/l na estrada com gasolina. Abastecido com etanol, o sedã atingiu médias de 7,4 km/l em trecho urbano e 9,6 km/l em percurso rodoviário.

EQUIPAMENTOS DE SÉRIE
Desde a versão de entrada Comfortline 250 TSI, o Jetta é equipado com seis airbags (dois frontais, dois laterais e dois de cortina), freios a disco nas quatro rodas com ABS (antitravamento) e EBD (distribuidor de frenagem), controles de estabilidade e tração, assistência de partida em rampas, freio de estacionamento elétrico, encostos de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes, ganchos Isofix para a ancoragem de cadeirinhas infantis no banco traseiro, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, espelho interno antiofuscante, faróis de LED com acendimento automático e luzes de condução diurna, sensor de chuva, faróis de neblina com função de iluminação em curvas, espelhos retrovisores elétricos com rebatimento em marcha à ré (lado direito), sistema start-stop, banco traseiro bipartido e rebatível, computador de bordo, seletor de modos de condução (Normal, Esporte, Eco e Individual), rodas de liga leve de 17 polegadas modelo “Polanko” e pneus 205/55 R17.

No quesito conforto, o sedã conta com direção elétrica com regulagem de altura e profundidade do volante multifuncional, ar-condicionado digital de duas zonas, controle de cruzeiro, chave presencial com botão de partida do motor no console central, bancos revestidos de material imitação de couro na cor preta e apoios de braço dianteiro e traseiro.

Em termos de conectividade, o sistema multimídia Discover Media possui tela tátil de 8 polegadas, App-Connect, sensor de aproximação, Bluetooth, leitor de CD, entradas AUX/USB/SD Card, comando de voz, navegação GPS e seis alto-falantes.

Na variante R-Line 250 TSI, os R$ 10 mil extras acrescentam o controle de cruzeiro adaptativo de distância e velocidade com frenagem de emergência e sistema de monitoramento frontal, detector de fadiga, bloqueio eletrônico de diferencial, faróis com facho alto automático e painel digital configurável Active Info Display.

O estilo é reforçado pelo revestimento do teto e capas dos retrovisores na cor preta, para-choques com desenho esportivo, emblemas “R-Line” na grade frontal e no interior e rodas aro 17” modelo “Viper”.

O único opcional disponível para as duas versões é o teto solar elétrico basculante e corrediço (R$ 4.990).

REVISÕES
O novo Volkswagen Jetta tem garantia de três anos e revisões programadas anualmente ou a cada 10.000 km. Segundo a Volkswagen, as três primeiras manutenções (10.000 km, 20.000 km e 30.000 km) são gratuitas, representando ao cliente uma economia média de R$ 1.383. A marca diz ainda que o plano de revisões até os 60.000 km custa R$ 2.204 – cerca de 40% abaixo do custo médio (R$ 3.665) do segmento.

O novo Jetta chegou mais caro, porém, com um pacote de equipamentos mais competitivo diante de concorrentes que cobram quase o mesmo preço por um conteúdo inferior. Além disso, o bom desempenho do motor 1.4 TSI e a dinâmica afinada da plataforma mais moderna fazem do sedã uma opção interessante para o consumidor que analisa o produto como um todo, e não só o apelo mercadológico sobre o grande público como acontece com os rivais japoneses.

O JETTA 2.0 TSI NÃO VEM?
A Volkswagen diz que não há espaço para uma versão do novo Jetta equipada com o motor 2.0 TSI, mas é possível que o modelo chegue por aqui em 2019 como uma opção mais esportiva para ocupar a lacuna de preços entre a variante R-Line e o Passat. Essa motorização ainda está disponível nas últimas unidades do Jetta Highline da geração anterior, oferecida no configurador de veículos do site da Volks a partir de R$ 111.770.

Fotos: Divulgação

Ficha técnica
 
CarroceriaMonobloco em aço, quatro portas, cinco lugares
MotorDianteiro, transversal, turbocompressor, injeção direta de combustível, duplo comando variável de válvulas na admissão e escape acionado por correia dentada, a gasolina e/ou etanol
Número de cilindros4 em linha
Número de válvulas16
Taxa de compressão10:1
Cilindrada1.395 cm³
Potência 150 cv a 5.000 rpm
Torque25,5 kgfm entre 1.400 e 3.500 rpm
TransmissãoAutomática de seis marchas
TraçãoDianteira
DireçãoElétrica
Suspensão dianteiraIndependente McPherson com molas helicoidais
Suspensão traseiraEixo rígido com molas helicoidais
Pneus e rodas205/55 R17, liga leve 17"
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosDiscos sólidos com ABS e EBD
Tanque de combustível 50 litros
Volume do porta-malas 510 litros
Altura1,47 m
Comprimento4,70 m
Largura1,80 m
Entre-eixos 2,68 m
Peso em ordem de marcha1.331 kg
0 a 100 km/h 8,9 segundos
Velocidade máxima210 km/h