Mostramos recentemente, aqui no Carsale, um duelo da Volkswagen Golf Variant contra a antecessora Jetta Variant. A perua mais moderna desbancou a veterana combinando o projeto mais refinado com um conjunto mecânico mais eficiente. Quase um ano e meio depois do seu lançamento no Brasil, a variante familiar do Golf recebe as mesmas mudanças da versão nacional do hatch, ganhando o motor 1.4 TSI flex mais potente, porém, perdendo a transmissão DSG de dupla embreagem e a suspensão traseira multilink.

A Golf Variant é uma das poucas peruas remanescentes no país, uma vez que o segmento perdeu a preferência das famílias para os SUVs nos últimos anos. O modelo é importado do México nas versões Comfortline (a partir de R$ 101.880) e Highline (R$ 113.290), ambas equipadas com o motor 1.4 dotado de turbo e injeção direta de combustível.

Com a adição da tecnologia flex, o propulsor teve a potência elevada de 140 cv para 150 cv, mas manteve o torque máximo de 25,5 kgfm (disponível entre 1.500 e 4.000 rpm), com qualquer mistura de combustível no tanque. Segundo a Volkswagen, o motor recebeu alterações na programação da central eletrônica, enquanto anéis e pistões foram redimensionados para suportar a potência extra. O catalisador também é novo e a injeção de combustível passa a trabalhar a 250 bar de pressão por conta das especificações do etanol (no 1.4 TSI a gasolina o sistema opera a 200 bar).

Já o elogiado câmbio automatizado DSG de dupla embreagem de sete marchas deu lugar à caixa automática com conversor de torque Tiptronic de seis velocidades. A “nova” transmissão tem modo esportivo, que estica as marchas, e ainda permite trocas manuais na alavanca ou nas borboletas atrás do volante.

Levamos a Golf Variant 2017 à pista de testes do Instituto Mauá de Tecnologia para conferir se as alterações comprometeram o bom comportamento dinâmico da perua. Segundo as medições, a perua teve um ganho de desempenho com etanol. Ela precisou de 9,26 segundos para atingir os 100 km/h com o combustível vegetal e 9,69 segundos com o derivado de petróleo. Já o modelo 2016, movido apenas a gasolina, cumpriu a prova em 9,50 segundos (confira abaixo o teste completo). Essa diferença no desempenho da perua com gasolina em relação ao carro da linha 2016 pode ser atribuída à maior agilidade do câmbio DSG, consideravelmente mais rápido nas trocas e reduções de marchas em arrancadas e retomadas.

Em contrapartida, o motor flex apresentou uma ligeira desvantagem nos testes de consumo. Abastecida com gasolina, a Golf Variant 2017 registrou médias de 11,4 km/l na cidade e 17 km/l na estrada contra os 12,2 km/l e 17,3 km/l, respectivamente, do modelo 2016. Com etanol, a perua fez 8,4 km/l em ciclo urbano e 13,1 km/l em percurso rodoviário.

Na prática, a Golf Variant continua boa de guiar e com a pegada esportiva capaz de fazer quem realmente gosta de dirigir desconsiderar a compra de qualquer SUV para levar a família. O comportamento exemplar em curvas e o bom nível de conforto não foram prejudicados pela troca da refinada suspensão multilink pelo sistema de eixo de torção, mais simples. Na verdade, essa mudança é praticamente imperceptível no uso cotidiano. Na prova de frenagem de 100 a 0 km/h, a perua precisou de 51,9 metros para parar completamente – melhora de 1,70 m em comparação com a Golf Variant 2016.

Combinando dirigibilidade elogiável e vocação familiar, a Golf Variant traz, desde a versão de entrada, uma lista robusta de itens de segurança: sete airbags, ganchos Isofix para a ancoragem de cadeirinhas infantis, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, bloqueio eletrônico de diferencial, freios com ABS que continuam atuando nas rodas após uma colisão para evitar o deslocamento do carro, cintos de segurança de três pontos e apoios de cabeça para todos os ocupantes, faróis de neblina com função que ilumina curvas e sensores de estacionamento dianteiros e traseiros. Entre os equipamentos de conforto e conveniência há espelhos externos com aquecimento, central multimídia com tela de 6,5 polegadas, direção elétrica, ar-condicionado, rodas de 16 polegadas.

A configuração topo de linha Highline agrega ar digital de duas zonas, bancos de couro, volante multifuncional, lanternas de LED, sensor de chuva, faróis com acendimento automático, chave presencial, entre outros. Entre os opcionais há farol alto adaptativo (controla o facho automaticamente ao detectar veículos no sentido contrário), frenagem autônoma a velocidades de até 30 km/h, detector de fadiga do motorista, controle de cruzeiro adaptativo (mantém uma distância pré-programada do carro à frente atuando no acelerador e nos freios) e teto solar elétrico. Todos esses itens somados elevam o preço final da perua a impressionantes R$ 152.370.

A Golf Variant foi simplificada em alguns em alguns aspectos (no caso, câmbio e suspensão traseira), mas ficou mais cara. Com preço inicial acima de R$ 100 mil e diante da avalanche de lançamentos do segmento de SUVs, a perua vai continuar sendo figura rara nas ruas brasileiras. O modelo teve apenas 855 unidades vendidas no acumulado de janeiro a outubro (41 exemplares no último mês).

Fotos: Guilherme Silva

Teste Carsale-Mauá

 
Gasolina
Etanol
Consumo cidade11,4 km/l8,4 km/l
Consumo estrada17 km/l13,1 km/l
0 a 60 km/h4,16 segundos4,06 segundos
0 a 100 km/h9,69 segundos9,26 segundos
0 a 120 km/h13,33 segundos12,61 segundos
Retomada 40 a 100 km/h7,18 segundos6,91 segundos
Retomada 80 a 120 km/h6,25 segundos5,98 segundos
Aceleração em 400 metros16,79 segundos - 131,91 km/h16,52 segundos - 137,75 km/h
Aceleração em 1000 metros30,70 segundos - 171,91 km/h30,24 segundos - 174,80 km/h
Frenagem 100 a 0 km/h51,9 metros51,9 metros

Ficha técnica

 
 
CarroceriaMonobloco em aço e alumínio, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, transversal, turbocompressor, injeção direta de combustível, a gasolina e/ou etanol
Número de cilindrosQuatro em linha
Número de válvulas16 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão10,5:1
Cilindrada1.395
Potência150 cv a 4.500 rpm
Torque25,5 kgfm de 1.500 a 4.000 rpm
TransmissãoAutomática, seis marchas
TraçãoDianteira
DireçãoElétrica
Suspensão dianteiraIndependente tipo McPherson com barra estabilizadora
Suspensão traseiraEixo de torção
Pneus e rodas dianteiros205/55 R16, liga leve de 16 polegadas (carro testado: Dunlop 225/45 R17, liga leve de 17 polegadas)
Pneus e rodas traseiros205/55 R16, liga leve de 16 polegadas (carro testado: Dunlop 225/45 R17, liga leve de 17 polegadas)
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosDiscos sólidos com ABS e EBD
Tanque de combustível 50 litros
Volume do porta-malas 605 litros
Altura1,46 m
Comprimento4,56 m
Largura1,79 m (2,02 m com os espelhos)
Entre-eixos 2,63 m
Peso em ordem de marcha1.357 kg
Carga útil523 kg