Tudo começou em 1965 com um chassi e um motor posicionado na transversal, atrás dos bancos. Foi um falatório só. Todos queriam saber como aquilo poderia se tornar algo desejado. A resposta viria no ano seguinte, com a apresentação oficial da carroceria e o restante do conjunto. Na ocasião, o público e a imprensa ficaram maravilhados.

O Miura, nome de uma das raças de touros lutadores mais selvagens da Espanha, representava um novo paradigma na fabricação de esportivos, exibindo um desenho limpo, com teto baixo e, principalmente, um motor central traseiro que aliviava o peso da dianteira livre e possibilitava uma traseira curta, totalmente diferente do que se via até aquele momento.

Diante de tantos atributos favoráveis, os jornalistas da época começaram a chamar o Miura de supercarro — reza a lenda que foi a partir dele que o termo passou a ser utilizado nos modelos que se encaixassem no perfil, ou seja, um carro caro, de produção limitada, belo e potente.
Falando em potência, o Miura utilizava um novo motor V12 projetado pela Lamborghini, que aumentou a capacidade cúbica de 3.5 para 4.0 litros, gerando 350 cv de potência e 36,8 kgfm de torque. Entre outros destaques do motor, estava a construção do bloco em alumínio e duplo comando de válvulas em cada bancada. Com essa configuração, o Miura era capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 6,7 segundos, atingindo velocidade final de 275 km/h — acima dele estava apenas a Ferrari 365GTB/4 Daytona com 280 km/h.

No primeiro ano de produção, o supercarro de Sant’Agata Bolognese teve 103 pedidos entregues, volume bem acima do que se projetava (50 unidades). Até o início de 1973, último ano de fabricação do Miura, foram comercializadas 473 unidades da versão P400, 140 da P400S e 150 da SV, totalizando 663 exemplares.


Em 2006, para celebrar os 40 anos da apresentação oficial do primeiro touro selvagem da marca, um carro-conceito no estilo retrô foi revelado, o Miura Concept. Mais largo, alto e comprido, mas com todos os elementos que identificavam o clássico (como os faróis, as persianas na janela traseira, as entradas de ar ao lado do vidro das portas e as lanternas típicas dos seus bólidos atuais). Embora o cofre do motor estivesse vazio, especulava-se que ele poderia receber o motor V10 do Gallardo, configurado para render 600 cv ou ainda o V12 de 6.5 litros do Murciélago com potência na casa dos 660 cv – essa força seria enviada às rodas traseiras por meio da transmissão automatizada de dupla embreagem sete marchas empregada no Bugatti Veyron e em outros carros do Grupo Volkswagen (a qual pertence a Lamborghini).

Aplaudido, mas também criticado por parte do público, o Miura Concept não foi confirmado como modelo de produção, ficando apenas como uma belíssima homenagem de uma das maiores lendas automotivas de todos os tempos.

MIURA EM MINIATURA
A Matchbox é uma marca de miniaturas de origem britânica fundada nos anos 1950 que sempre se notabilizou pela produção de bons modelos na escala 1:64. Nos anos 1970 ela foi a primeira a reproduzir o Miura, uma das grandes novidades daquele período. Nos anos 2000, já sob a administração da Mattel, a Matchbox apresentou uma nova mini, que apesar de simples, possui vários detalhes do original como os faróis com os “cílios”, as entradas de ar do capô e nas laterais próximas as portas, as persianas em cima do motor, as rodas tridente, as lanternas e as inscrições ‘LAMBORGHINI’ e ‘MIURA S’ que representa a P400S de 1968, um exemplar lindo e extremamente barato para ser adquirido.


O Miura Concept é obra da japonesa Kyosho – que alias é a marca que mais reproduz versões da Lamborghini – com um nível de detalhamento e fidelidade bem maior, isso fica evidente nas rodas, nas lanternas e faróis de plástico, nos retrovisores e no capô para completar ela vem em um suporte com o nome da versão para quem desejar expor assim.
Dois pequenos belos representantes, que ajudam a deixar sempre vivo o legado de um dos grandes carros do passado recente.

Fotos: Doalcey Rocha

Doalcey Rocha, 38 anos, é engenheiro agrônomo, professor e apaixonado por carros, miniaturas e fotografia. Também é proprietário do blog Miniaturas de Carros em Foco, voltado ao fantástico mundo das “minis”.