A nova geração do Jeep Compass foi lançada há algumas semanas, quando tivemos contato apenas com as versões equipadas com a motorização MultiJet II 2.0 turbodiesel de 170 cv de potência e 35,7 kgfm de torque. Desta vez, conhecemos de perto as configurações flex de tração dianteira, que chegam às concessionárias brasileiras no dia 5 de novembro com o motor Tigershark 2.0 sob o capô. Confira:

O novo Compass é o terceiro modelo fabricado pela Fiat Chrysler Automóveis (FCA) em Goiana, no interior de Pernambuco. Posicionado entre o Renegade e o Cherokee, o SUV é a aposta da Jeep para chegar à liderança do segmento de utilitários esportivos de porte médio. Para isso, a marca já definiu os concorrentes que precisa superar: os coreanos Hyundai ix35 e Kia Sportage, além do japonês Mitsubishi ASX. Com preços variando entre R$ 99.990 e R$ 124.990, as versões flex serão responsáveis por 70% do mix de vendas do Compass (30% da Longitude, 20% da Sport e 20% da Limited).

Inédito no Brasil, o motor Tigershark 2.0 é fabricado pela Chrysler no México desde 2013 para equipar o sedã médio Dodge Dart. Para beber álcool, o propulsor recebeu velas de irídio e o sistema de injeção que aquece o combustível antes da partida em dias frios. Dotado de bloco de alumínio e cabeçote com duplo variador de fase, o motor conta com sistema de acionamento de válvulas por corrente com dentes invertidos e balancins roletados para reduzir o atrito e, consequentemente, os níveis de ruídos e vibrações. Os pistões também foram substituídos para suportar a maior taxa de compressão (subiu de 10,2:1 para 11,8:1).

O Tigershark 2.0 gera 159 cv de potência a 6.200 rpm e 19,9 kgfm de torque a 4.000 rpm quando abastecido com gasolina. Com etanol no tanque, os números sobem para 166 cv e 20,5 kgfm, respectivamente, nas mesmas rotações. Diferentemente das versões a diesel, dotadas do câmbio automático de nove marchas, o Compass flex conta com a caixa automática de seis velocidades que equipa o Renegade 1.8 flex, porém, com ajustes específicos nas relações e no acionamento das trocas de marchas.

Com esse conjunto mecânico, o Compass flex acelera de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos e atinge velocidade máxima de 196 km/h, de acordo com os dados divulgados pela Jeep.

Embora o teste tenha sido breve (cerca de 50 quilômetros em rodovia de pista simples), o Compass flex deixou uma boa impressão no primeiro contato. O motor tem funcionamento suave e embala o SUV sem dificuldade pelo fato de entregar 86% do torque máximo a 2.000 rpm. As acelerações e retomadas não impressionam, mas também não falta força em ultrapassagens e trechos de subida. Isso se dá pelo bom casamento do câmbio automático, que reduz as marchas prontamente ao reconhecer que o SUV necessita de maior agilidade.

O consumo declarado no Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro é de 8,1 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada com gasolina. Utilizando etanol, essas marcas caem para 5,5 km/l em percurso urbano e 7,2 km/l em regime rodoviário.

Agrada também o baixo nível de ruído abaixo das 4.000 rpm e o conjunto bem acertado do carro. As suspensões independentes nas quatro rodas garantem um rodar confortável no asfalto liso, mas atuam com bastante eficiência na hora de absorver os impactos de ruas esburacas e lombadas. Apesar do centro de gravidade elevado, comum em SUVs, o Compass transmite segurança ao motorista nas curvas por não apresentar rolagem excessiva da carroceria.

Mais sofisticado que o Renegade, o Compass tem cabine montada com materiais macios ao toque no painel e na parte superior das portas. Os comandos do ar-condicionado são idênticos aos do irmão maior Cherokee. O espaço é suficiente para quatro adultos de aproximadamente 1,80 m, além do porta-malas que leva 410 litros de bagagem (1.191 litros com o banco traseiro rebatido).

No geral, o Compass flex é um carro que prioriza o conforto dos ocupantes, mas que não vai fazer feio caso tenha de passar por uma estradinha de terra. Silencioso e de funcionamento suave, o motor entrega desempenho adequado para a proposta do SUV – vale ressaltar que esse propulsor cairia como uma luva nas versões flex do Renegade, equipadas com o 1.8 e.TorQ da Fiat. Bem construído e com um pacote robusto de equipamentos (além do fator novidade), o Compass flex tem atributos para tirar clientes da concorrência, especialmente das marcas coreanas e japonesas.

Preços e equipamentos

Compass Sport 2.0 flex AT6 4×2 (R$ 99.990): direção elétrica; ar-condicionado; airbags frontais; freios a disco nas quatro rodas com ABS; controles eletrônicos de estabilidade, tração, anticapotamentoe de oscilação de reboque; faróis e lanternas de neblina; luzes diurnas; ganchos Isofix para a fixação de cadeirinhas infantis no banco traseiro; rodas de liga leve de 17 polegadas; volante multifuncional revestido de couro e com ajustes de altura e profundidade; sensor de estacionamento traseiro; assistente de partida em rampas; rack de teto na cor preta; limitador de velocidade; monitoramento da pressão dos pneus; central multimídia UConnect com tela de 5 polegadas, GPS, Bluetooth e entradas USB e auxiliar; painel com tela configurável de 3,5 polegadas; alarme antifurto; frisos laterais e traseiro na cor preta; freio de estacionamento eletrônico, entre outros.

Compass Longitude 2.0 flex AT6 4×2 (R$ 106.990): itens da Sport, mais ar-condicionado automático digital de duas zonas; banco do passageiro com porta-objetos sob o assento; central UConnect com tela de 8.4 polegadas e comando de voz; rodas de 18 polegadas; frisos cromados; chave presencial com botão de partida no painel; borboletas atrás do volante para a troca de marchas.

Compass Limited 2.0 flex AT6 4×2 (R$ 124.990): adiciona ao pacote da Longitude os airbags laterais de cortina e do joelho do motorista; painel com tela configurável de 7 polegadas; rack de teto cromado; faróis de xenônio; bancos de couro; teto pintado de preto e retrovisores com rebatimento elétrico.

Há ainda a oferta da edição especial de lançamento Opening Edition (R$ 109.490), baseada na Longitude 2.0 flex e limitada a 500 unidades equipadas com o pacote de opcionais Premium, que acrescenta acendimento automático dos faróis, bancos em couro caramelo, sensor de chuva, retrovisor interno eletrocrômico e sistema de som da marca Beats.

As versões Sport e Longitude podem receber os pacotes de opcionais Premium (R$ 3.500) e Safety (por R$ 3 mil acrescenta os airbags laterais, de cortina e para os joelhos do motorista). Todas as configurações podem ser equipadas com o teto solar panorâmico (R$ 6.800).

Teste-drive a convite da Jeep.
Fotos: Divulgação

Ficha técnica

 
Jeep Compass Sport 2.0 flex
CarroceriaMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, duplo variador de fase, injeção multiponto, aspirado, a gasolina e/ou etanol
Cilindrada (cm³)1.995
Potência (gasolina/etanol)159/166 cv a 6.200 rpm
Torque (gasolina/etanol)19,9/20,5 kgfm a 4.000 rpm
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosDiscos sólidos com ABS e EBD
Suspensão dianteiraIndependente McPherson
Suspensão traseiraIndependente multibraços
RodasLiga leve de 17 polegadas
Pneus225/60 R17
DireçãoElétrica
Peso em ordem de marcha (kg)1.527
Comprimento (metros)4,41
Largura (m)1,81
Altura (m)1,63
Distância entre-eixos (m)2,63
Tanque (litros)60
Volume do porta-malas (litros)410
TransmissãoAutomática de seis marchas
TraçãoDianteira