A Fiat apresentou na última semana sua principal novidade voltada ao segmento de carros compactos, a nova linha de motores Firefly. Os propulsores estreiam na linha 2017 do Uno, que também recebeu uma leve reestilização.

São dois novos motores: 1.0 litro de três cilindros e 1.3 litros de quatro cilindros. O propulsor 1.0 entrega 72 cv e torque de 10,4 kgfm (gasolina) e 77 cv e 10,9 kgfm (etanol), enquanto o 1.3 chega a 101 cv e 13,7 kgfm (gasolina) e 109 cv e 14,2 kgfm (etanol).

Os inéditos motores adotam a arquitetura de 2 válvulas por cilindro com geometria do conjunto otimizada – pela primeira vez usada em motores 1.0 três cilindros. De construção modular, com bloco em alumínio, esta nova família engloba variantes de três e quatro cilindros com uma única dimensão de pistão e de cilindro nos dois casos.

Confira os preços e versões clicando aqui.

COMO ANDA A LINHA UNO 2017

Uno 1.3 Manual

Apesar da dianteira modificada, por fora o Uno continua basicamente o mesmo. Por dentro, as alterações são mais percebidas no centro do painel, que agora abriga a central multimídia uConect (opcional) e saídas de ar maiores. Em termos de acabamento, o Uno 2017 está ligeiramente melhor.

Porém, é sob o capô que está a grande evolução. A troca do defasado motor 1.4 Fire de até 88 cv pelo novo motor 1.3 Firefly de até 109 cv fez muito bem ao compacto. A entrega de torque em baixas rotações garante ao Uno arrancadas e retomadas seguras, com desempenho adequado. A direção elétrica melhorou a dirigibilidade. O câmbio se manteve preciso. Já a suspensão não passou por mudanças, mas continua filtrando bem as imperfeições do piso e garantindo conforto.

Uno 1.3 Dualogic

Quando o câmbio Dualogic chegou ao Brasil as críticas foram pesadíssimas. De fato, essa transmissão trazia muitos problemas, especialmente os trancos na hora das trocas de marchas.

Na última reestilização em 2014, o Uno foi o primeiro a ganhar a segunda geração da transmissão automatizada Dualogic Plus. Com esse sistema, além da ausência da manopla (substituída por botões), o compacto ganhou em conforto, com trancos nitidamente reduzidos.

E essa característica positiva permanece no Uno 2017, no entanto, com um motor mais potente, o desempenho do câmbio automatizado é ainda melhor. As trocas de marchas não são tão suaves como em um câmbio automático convencional, porém, é possível dizer que esse câmbio é superior ao rival I-Motion dos modelos da Volkswagen.

A transmissão privilegia o consumo de combustível, sendo assim, o motor é mantido em rotações mais baixas. A sua utilização no dia a dia é amigável.

Na versão avaliada Sporting, o acerto da suspensão está um pouco mais rígido, enquanto a direção elétrica se comporta melhor que nas demais versões do novo Uno. Com isso, essa configuração é a que proporciona maior prazer ao dirigir.

Uno 1.0 Manual

A grande estrela da linha Uno 2017 deverá ser o motor 1.0, responsável por quase metade das futuras vendas, segundo a Fiat. Para apresentar a novidade aos jornalistas, a marca italiana preparou um test-drive em volta da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, região plana e de poucos aclives. Neste trecho, foi possível notar que os 10,9 kgfm de torque embalam bem o pequenino, garantindo bom desempenho.

No entanto, fomos buscar um pouco de desafio para o novo motor 1.0. Saímos do Estádio Mineirão rumo à Arena Independência. A casa do América Mineiro, e também do Atlético, é localizada no bairro do Horto, dotado de diversas subidas. Nessa situação, comprovamos que o propulsor exigirá paciência de seu futuro proprietário, pois para embalar é necessário engatar a primeira marcha e pisar fundo. Com diversos cruzamentos, o local exigiu um trabalho extra nas trocas de marchas.

Fato curioso é que, apesar de tricilíndrico, o Uno vibra bem menos que os demais concorrentes, tornando a viagem à bordo do modelo mais silenciosa e confortável.

Vale a pena?

O principal objetivo da Fiat, tornar o Uno mais econômico e distanciar o modelo do irmão Mobi, foi alcançado com sucesso. Isso é mérito dos novos motores, que receberam nota A no teste do Inmetro. Além disso, o distanciamento do modelo de entrada é feito através da oferta generosa de equipamentos, inclusive itens de segurança, como controle de estabilidade e tração e assistente de partida em rampas.

Os preços do Uno subiram entre R$ 2 mil na versão mais básica e R$ 3.500 nas versões aventureira e esportiva. Pode parecer muito, mas compararmos a nova lista de equipamentos e motores com a concorrência, o Uno leva a melhor diante de vários adversários, especialmente no custo-benefício.

Por fim, apesar de considerarmos um tanto questionável a estratégia da Fiat de colocar o Uno para brigar com modelos maiores, como Gol, Onix, HB20 e Ka, a marca italiana dá uma lição aos seus adversários: carro popular pode sim ser equipado com itens de segurança. Tanto que o Uno 2017 se torna referência nesse quesito dentro da sua categoria.

Fotos: Divulgação