18/05/2012 | 11:10
Canal de Comparativo / Teste

Bebendo etanol: Hilux e S10 se enfrentam na pista

Consumo dos modelos e falta de equipamentos da picape da GM, indicam que a melhor opção ainda é pelas versões a diesel

Autor: Leonardo Faria/Foto: Larissa Florêncio
  • Facebook Facebook
  • Twitter Twitter
  • Myspace Myspace
  • Orkut Orkut
  • Bookmarks Bookmarks
Página: Bebendo etanol: Hilux e S10 se enfrentam na pista
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
Para enviar para mais de uma pessoa, separe os e-mail por ponto e vírgula
Seu Nome:
Seu Email:
Comentários:
Carsale - Assistimos nos últimos meses um movimento intenso no terreno das picapes médias. Praticamente todas as montadoras atualizaram seus produtos (com exceção da Ford que lançará a nova Ranger no mês que vem ), oferecendo pequenas alterações, ou trazendo para o mercado gerações mais atuais e totalmente inéditas.

Fato que fica bem claro num embate entre Toyota Hilux e Chevrolet S10. A primeira trouxe novos parâmetros para o segmento. No final do ano passado, a marca japonesa deu um “tapinha” no visual do modelo, oferecendo mais equipamentos e pequenas atualizações estéticas. Já a segunda é líder de vendas já há algum tempo, mas precisava se atualizar, já que não recebia mudanças efetivas desde o seu lançamento. No final do ano passado, seguindo a estratégia de renovar sua gama de produtos, a General Motors resolveu o problema e apresentou uma nova geração completamente renovada.

E além desse movimento de atualizações, focando no aumento da renda média dos brasileiros, que cada vez mais começam a mirar em modelos mais caros (como é o caso das picapes, sempre na faixa dos R$ 80 mil/ R$100 mil), há também na mira das fabricantes a boa procura pelas versões bicombustível. Algo que, nesse caso, transparece outra tendência: a tentativa de abranger mais o cliente das zonas urbanas.

Não é de hoje que o perfil de quem compra picapes médias inclui algum refúgio, como fazendas e sítios, entre suas propriedades. Se não moram nesses locais, os utilizam como casas de veraneio.  Portanto, (sem mostrar números reais) as duas marcas argumentam que a porcentagem de clientes moradores das cidades e que optam por picapes está crescendo. Sendo assim, eis a justificativa para adicionar na gama de versões esses gigantes movidos a etanol/gasolina, mais silenciosos que os a diesel.



Mas o preço compensa?

Conversando qual qualquer consultor de mercado do setor automotivo, ele irá afirmar: “o principal benefício das picapes bicombustível é o preço. Realmente, o valor é mais acessível que as versões movidas a diesel. Neste teste, ambas as personagens são topo de linha (S10 LTZ e Hilux SRV). A versão avaliada da Chevrolet tem preço sugerido de R$ 84.400, enquanto que a picape da Toyota está com o valor estipulado em R$ 103.420. O que explica a grande diferença é que o modelo topo de linha da GM não pode ser equipado com câmbio automático e tração 4x4 quando vem com motor flex. Deixando de lado a disputa de preço entre ambas, vamos às próximas análises, ou seja, conforto, desempenho, consumo, entre outros quesitos.



Conforto e lista de equipamentos

O conforto de uma picape grande é algo discutível. Afinal esse tipo de veículo é desenvolvido para enfrentar situações com grandes adversidades. Então a sutileza é substituída pela força. Algo que vem evoluindo, agregando também outros aspectos. Entre as versões bicombustível e a diesel das duas picapes não há diferença. Mas, há questões de relevância. O design da S10 é mais atual e estiloso. As linhas da picape, baseadas na nova Colorado,  chamam a atenção.

A Hilux não é tão bela, trazendo um visual mais sóbrio, característico dos produtos da Toyota. Trata-se da mesma impressão que fica ao entrar na cabine do modelo da marca japonesa. As cores e linhas do acabamento interno e o desenho dos equipamentos diferenciam bem as características de ambas (um bom exemplo é o ar-condicionado digital da S10, com mostrador azul em contraste com o bem mais tradicional da Hilux)  Já a lista de itens de série é semelhante. Há direção hidráulica, freios ABS com EBD, ar-condicionado digital, regulagem elétrica dos bancos, controles do sistema multimídia no volante, entre outros.

A grande diferença talvez esteja no conjunto mecânico. A versão topo de linha da picape da Chevrolet  oferece apenas câmbio manual e a tração 4x2. Enquanto que o modelo da Toyota  traz a transmissão automática e tração 4x4. Aqui podemos voltar no assunto preço, já que esse é o principal motivo para a grande disparidade de valores, quando comparamos os dois modelos concorrentes (lembrando a LTZ bicombustível da GM custa R$ 84.400 e a SRV da montadora japonesa R$ 103.420. Uma diferença de aproximadamente R$ 20 mil).



O conjunto mecânico é a grande questão

Assim chegamos ao fator determinante que leva a  optar pela Hilux ou S10, ou a escolher entre uma picape média movida a etanol/gasolina ou a diesel. No caso do comparativo entre os dois modelos concorrentes, o troféu vai para a Toyota. O fato de ter opção câmbio automático e tração integral com motor flex dá mais conforto e segurança, tanto em situações de estrada (retomadas e ultrapassagens) como em momentos fora de estrada (terrenos de lama e barrancos).

Além disso, a Hilux possui um conjunto mais bem acertado. O motor 2.7 VVT-i de 158 cavalos de potência (diga-se de passagem que é o maior propulsor quatro cilindros a gasolina/etanol produzido no mundo), apesar de beberrão, oferece mais agilidade. As respostas são mais rápidas em qualquer situação, tanto nas ultrapassagens, quando nas acelerações. Segundo as medições do Instituto Mauá de Tecnologia, para retomar de 40 a 120 km/h, a picape da Toyota precisa de 21,4 segundos, ante 23,6 do modelo da Chevrolet. E para acelerar de 0 a 100 km/h, a Hilux cravou 15,6 segundos, antes dos 16,3 segundos da rival. Isso mostra, entre outros aspectos, que o motor 2.4 Flexpower, de 141 cv, da GM, mesmo com a leve atualização que sofreu para o lançamento desta nova geração, rende menos. Ele responde de forma mais lenta, quando exigido. Transparece de forma mais evidente o quanto sofre para movimentar os 1.825 kg da S10.

Ambos os utilitários são beberrões, mas o modelo da Chevrolet se sai um pouco melhor quando o assunto é consumo, mas figurando quase um empate técnico.  Ainda conforme o IMT, a S10 faz 6,9 km/l na cidade e 10,6 km/l na estrada, contra 6,4 km/l e 10,4 km/l da Hilux, respectivamente. Vale lembrar que o modelo da Toyota consegue marcas bem próximas da concorrente, mesmo com cilindrada maior e câmbio automático, o que pode ser considerado um mérito.






Veredicto

A primeira questão a ser resolvida pelo cliente é entender qual sua real necessidade. Mesmo com preços mais acessíveis, pensar duas vezes em adquirir uma picape flex é o mais recomendável. O investimento pode sair pela culatra, ao colocar na ponta do lápis o quanto será gasto de combustível ao longo dos próximos meses, ainda mais agora que abastecer com etanol é compensador apenas em São Paulo.

Se mesmo assim, a escolha for pela picape movida etanol/gasolina, vá de Toyota Hilux. Apesar de ser um projeto mais antigo e que precisará em breve de mais novidades, o modelo japonês fica com uma vitória apertada nesse comparativo, já que mostrou ter um conjunto mecânico mais bem acertado,além de mais estável na estrada e seguro nas situações fora de estrada (já que oferece a tração 4x4). Apesar da diferença de valores entre os dois modelos, o fator preço não pesa tanto levando em conta o perfil de quem pode investir um pouco mais para ter um produto com um custo-benefício superior nas mãos.
 
Avaliação Carsale
Hilux CD 4x4 SRV Flex
S10 CD 4x2 LTZ Flex
Posição de Dirigir
Acabamento
Segurança
Estilo
Consumo
Custo/Beneficio
Itens de série
Espaço Interno
Desempenho
Ergonomia
Conjunto mecânico
Conforto
Avaliação Carsale
3,83
3,58
Publicidade
Veja abaixo a galeria de fotos:
 
Untitled Document
Ficha Técnica
Hilux CD 4x4 SRV Flex
S10 CD 4x2 LTZ Flex
Motor
VVT-i Flex 2.7L 16V DOHC
2.4 Flexpower
Cilindrada (Cm³)
2.694
2.405
Potência (Cv)
163 cv
147 cv
Torque (Kgfm)
25,0 kgfm a 3.800 rpm
24,1 kgfm a 2.800 rpm
Câmbio
Automático de 4 velocidades
Manual de 5 velocidades
Comprimento (m)
5,26
5,36
Largura (m)
1,83
2,13
Altura (m)
1,86
1,78
Entre-Eixo (m)
3,08
3,09
Peso (Kg)
2,560 kg
1.825 kg
Freios
ABS com EBD
ABS com EBD
Preço (R$)
R$ 103.420
R$ 84.400
Altura Livre do Solo
222 mm
223 mm
Volume Caçamba
1,6m³
1,5 m³
Ângulo de Entrada
30º
30,7º
Ângulo de Saída
23º
16,1°
Tração
4x4
4x2
Publicidade
Veja Também:
Av do Estado, 5200, CEP: 01516-000, São Paulo - SP --- Copyright 2000-2013 Carsale.com.br - Todos os direitos reservados