Respeitar o período das trocas de óleo e as recomendações do fabricante do veículo é muito importante para evitar problemas e garantir o bom funcionamento do motor. A lubrificação errada pode provocar desde o aumento no consumo de combustível a sérios prejuízos com elevados custos de manutenção.

+ Troca de óleo do Bugatti Veyron custa quase R$ 80 mil

“Uma lubrificação ineficiente pode ser causada por vários fatores, desde o modo de aplicação no motor até a utilização de lubrificantes que não seguem as especificações das montadoras” diz Denise Novaes, coordenadora de Assistência Técnica da Total Lubrificantes do Brasil.

Veja abaixo 10 hábitos que devem ser evitados na hora de trocar o óleo do motor: 

1- Não respeitar o prazo para a troca do produto: todo fabricante estipula um prazo no Manual do Proprietário que deve ser seguido. Normalmente, o intervalo indicado é a cada 5.000 km ou 10.000 km. Utilizar o óleo além do período recomendado leva à formação de borra e compromete a capacidade de lubrificação das peças internas do motor, já que aumenta o atrito e o desgaste precoce.

2 – Completar o nível de óleo: ao fazer isso, o produto novo é misturado com o usado e acaba contaminado. O resultado é um lubrificante misto com composição diferente da ideal, comprometendo a eficácia e desempenho do motor. Por isso, deve-se trocar todo o óleo do cárter por um novo.

3 – Usar aditivos: Além de comprometer as propriedades do lubrificante, gerando a formação de depósitos no motor, faz você gastar dinheiro sem necessidade. Isso porque os óleos de boa qualidade presentes no mercado já contêm aditivos específicos em sua composição e atendem todas as necessidades do veículo.

4 – Misturar lubrificantes: a prática é uma das principais armadilhas para os motoristas. Muitos misturam os produtos em situações de emergência, como um vazamento, por exemplo. Embora não seja recomendado, é possível misturar lubrificantes de marcas diferentes, desde que tenham a mesma base (sintético, semissintético ou mineral), viscosidade e grau API e SAE. Caso contrário, prejudica a eficiência da lubrificação e gera sérios riscos ao motor.

5 – Pingar óleo no motor: afeta as áreas mais críticas, entre elas, velas, câmaras de combustão e catalisador. Quando um desses componentes é afetado, há aumento de custos de manutenção e de gastos com combustível.

6 – Bujão fechado indevidamente: como é conhecido o parafuso que fecha o dreno do cárter de óleo. O item deve ser aparafusado corretamente para evitar vazamentos. Daí a importância de um profissional especializado para fazer a troca de óleo para fechar o bujão sem excesso de força, mas sem deixá-lo frouxo demais.

7 – Não trocar o filtro do óleo: o filtro conserva em seu interior um volume residual de óleo oxidado que contamina o lubrificante novo, acelerando o processo de envelhecimento. Por isso, deve ser trocado simultaneamente com o óleo para não carregar as impurezas retidas para dentro do motor novamente.

8 – Rodar com lubrificante acima ou abaixo do nível: deve ser evitado. Óleo no nível mínimo compromete a lubrificação já que aumenta o atrito entre as peças. Com isso, o desgaste dos componentes do motor é maior e resulta em perda de potência imediata, em excesso de calor ou mesmo na fundição do motor. Com o nível de óleo acima do recomendado, o motor trabalha sobrecarregado, forçando componentes e reduzindo a sua vida útil, além do risco de o produto a transbordar e cair sobre locais fora do sistema de lubrificação. 

9 – Limpar a vareta com estopa: jamais faça isso para não deixar os resíduos do óleo antigo e os fiapos do tecido contaminarem o novo lubrificante. Opte sempre em usar papel absorvente para limpar a vareta durante a troca do lubrificante.

10 – Trocar o óleo em postos de abastecimento: é comum os frentistas se oferecerem para verificar o nível e até mesmo sugerirem a troca do lubrificante. A maioria desses profissionais não é especializada nesse tipo de serviço que, se feito de maneira incorreta, pode prejudicar o motor futuramente. Prefira fazer a troca de óleo em uma oficina de confiança ou na rede autorizada pelo fabricante do veículo, mesmo se o custo for um pouco superior. É melhor pagar a mais na troca de óleo do que arcar com um prejuízo bem maior para reparar o motor.

Foto: Nitfilter