É comum os motoristas terem dúvidas de qual combustível escolher na hora de abastecer, já que ter certeza do melhor custo-benefício é uma questão complexa e interpretativa, devido a vários aspectos técnicos do automóvel. Há motoristas que optam pelo etanol por conta do custo relativamente menor, embora seja um combustível de menor rendimento, enquanto outros utilizam gasolina, que possui uma autonomia maior, ainda que seja mais cara.

O etanol pode ser composto de diversas matérias-primas. Especificamente no Brasil, ele é feito a partir da cana-de-açúcar. Sua principal vantagem é o preço no posto, justamente por não estar exposto às variações internacionais do petróleo. 

No estado de São Paulo, por exemplo, o preço médio do etanol tem sido de R$ 2,85 por litro (valor de julho/18), em média 32% menor que o da gasolina comum. Mas, se avaliarmos o rendimento desse combustível, encontraremos a sua principal desvantagem. Estima-se que o etanol renda 30% a menos que a gasolina comum. 

Já a gasolina tem como principal matéria-prima o petróleo. Sua principal vantagem é o rendimento. A gasolina possui um poder calorífico maior que o do etanol, o que consequentemente faz com que seja um combustível de maior autonomia. Porém custa mais caro, em média R$ 1,65 a mais que o etanol, estando sujeita a variações diárias, o que envolve também uma dose de imprevisibilidade para o motorista que quer programar seus gastos.

FÓRMULA DOS 70: APRENDA A CALCULAR
Para calcular os percentuais e definir um combustível o Cesvi (Centro de Experimentação e Segurança Viária) orienta utilizar a fórmula dos 70. Essa teoria diz que o etanol será vantajoso quando custar menos que 70% do valor da gasolina. Notamos que atualmente, em média, o etanol tem custado 32% a menos. Ou seja, podemos interpretar que o etanol é, levemente, mais vantajoso que a gasolina no momento.

Para não errar, a orientação é utilizar a fórmula abaixo:

 

 

 

 

 

 

 

Imagens: Divulgação