A Porsche lançou, nesta terça-feira (14), a terceira geração do SUV Cayenne no mercado brasileiro. O modelo chega em três versões a gasolina com preços variando entre R$ 423 mil e R$ 733 mil.

A configuração de entrada (R$ 423 mil), chamada apenas de Cayenne, é equipada com o motor 3.0 V6 turbo de 345 cv de potência entre 5.300 e 6.400 rpm (41 cv a mais que a geração anterior) e torque máximo de 45,7 kgfm entre 1.340 e 5.300 rpm. O SUV acelera de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos e atinge a velocidade máxima de 245 km/h. A transmissão automática de oito velocidades é padrão em todas as versões.

A versão intermediária S (R$ 523 mil) é movida por um V6 biturbo de 2.9 litros, que gera 446 cv (20 cv a mais que a geração anterior) entre 5.700 e 6.400 rpm e 55,8 kgfm de torque. Nessa configuração, o Cayenne leva 4,9 segundos para acelerar até os 100 km/h e pode atingir os 265 km/h de velocidade final.

Por fim, variante topo de linha Turbo (R$ 733 mil) leva sob o capô um V8 de 4.0 litros biturbo de 550 cv de potência (30 cv a mais) entre 5.750 e 6.000 rpm e 78,2 kgfm de torque entre 1.960 e 4.500 rpm. A versão mais nervosa do SUV leva apenas 3,9 segundos para atingir os 100 km/h e chega aos 286 km/h de velocidade máxima.

Construído sobre a nova plataforma modular MLB Evo do Grupo Volkswagen (a mesma dos modelos Audi Q7, Bentley Bentayga, Lamborghini Urus e Volkswagen Touareg), o Cayenne está 6 centímetros maior no comprimento e 3 cm mais largo. O porta-malas teve um ganho de 100 litros na capacidade. A carroceria feita em alumínio reduziu o peso do SUV em 135 kg em relação à geração anterior, ficando pouco acima das duas toneladas na versão S. A versão de entrada perdeu 55 kg, atingindo os 1.985 kg de peso em ordem de marcha.

Apesar da vocação para o asfalto, o Cayenne recebeu melhorias na capacidade off-road. O SUV conta com diferentes modos de condução em terrenos acidentados. Para andar na terra, o Cayenne pode bloquear individualmente cada roda ou eixo, enviando a força do motor para o eixo que com maior aderência.

Outra novidade no novo Cayenne é o eixo traseiro dinâmico, capaz de esterçar as rodas traseiras para facilitar manobras de estacionamento ou aumentar a precisão do carro em curvas de alta velocidade. O recurso está disponível como opcional, assim como o controle dinâmico de chassis, entre outras tecnologias.

Por dentro, o SUV alemão também foi repaginado e ficou mais minimalista. Se na geração anterior a cabine ostentava diversos botões, agora o Cayenne conta apenas com duas telas de 7 polegadas e central multimídia de 12,3 polegadas, além do console central também ter comandos sensíveis ao toque.

Em termos de sistemas de auxílio à condução, o SUV traz câmera de visão noturna, aviso de mudança de faixa, assistente de manutenção de faixa, reconhecimento de sinais de trânsito, assistência de engarrafamento e controle de cruzeiro adaptativo – a maioria oferecida entre os opcionais. 

Outro diferencial é que a nova geração do Cayenne passa a utilizar pneus com medidas diferentes na traseira e dianteira, como acontece no esportivo 911. No Brasil, as versões oferecidas usam rodas de 20 ou 21 polegadas.

Imagens: Divulgação