A Jeep divulgou mais fotos e detalhes do Renegade 2019 que será vendido na Europa a partir de setembro com as discretas atualizações visuais e de conteúdo confirmadas para estrearem no modelo brasileiro pouco antes do Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro. Já a nova gama de motores Firefly turbo da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), principal novidade do Renegade europeu, ainda vai demorar um pouco para estrear por aqui.

O Renegade recebeu discretos retoques na dianteira, com um para-choque redesenhado na parte que abriga os faróis de neblina e faróis com assinatura de LED que substitui a luz halógena de rodagem diurna do modelo anterior. Na traseira, as lanternas ganharam desenho tridimensional e a fechadura da tampa do porta-malas agora está mais ergonômica para a abertura do compartimento (que mantém a capacidade de 320 litros).

Na linha 2019, o Renegade ganhará também novos conjuntos de rodas de liga leve. Na Europa há opções de 16 a 19 polegadas, dependendo da configuração.

Internamente, o SUV ganha a nova central multimídia com tela de 8,4 polegadas e com botões integrados ao painel, como no irmão maior Compass. As versões 4×4 turbodiesel contam com uma função que avalia e auxilia a condução em percursos off-road.

As novas motorizações disponíveis na Europa a partir do segundo semestre são as unidades turbo a gasolina da família Firefly. O propulsor 1.0 de três cilindros rende 120 cv de potência e 19,3 kgfm de torque, enquanto a 1.3 de quatro cilindros tem versões de 150 cv e 180 cv, ambas com 27,5 kgfm de torque máximo.

Esses motores são podem ser combinados a um câmbio manual ou um inédito automatizado de dupla embreagem, ambos de seis velocidades.

Para atender as normas de emissões europeias, os motores turbodiesel 1.6 (120 cv) e 2.0 (140 cv e 170 cv) receberam melhorias no catalisador, agora dotado do sistema de injeção da solução de ureia AdBlue (semelhante ao Arla usado em caminhões). Na Europa, esses propulsores são combinados à caixa automática de nove marchas.

Além dos retoques visuais, o Renegade brasileiro pode herdar alguns recursos tecnológicos do modelo europeu, como reconhecimento de placas de trânsito, frenagem automática de emergência.

Já as motorizações Firefly turbo devem levar mais uns dois anos para desembarcarem por aqui adaptadas para o uso com etanol. Até lá, o SUV manterá o 1.8 16V e.TorQ flex de 139 cv nas versões de tração dianteira. O 2.0 turbodiesel de 170 cv com tração 4×4 não deverá sofrer alterações para o nosso mercado.

Fotos: Divulgação