A TAC Motors anunciou no final de maio o retorno do jipe Stark ao mercado e um investimento de R$ 150 milhões nos próximos quatro anos para o desenvolvimento de versões com câmbio automático e motor flex, além de um novo modelo off-road. O Stark está disponível a partir de R$ 115 mil na versão Black Cover, que pode receber uma série de opcionais específicos para o uso em trilhas.

A fabricante comercializa o jipe por encomenda, mas pretende aumentar gradativamente a produção para manter a proximidade com o público-alvo e atrair novos clientes. A estratégia de atendimento será por meio de distribuidoras nas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país. Chamados de Stark Points, esses locais serão responsáveis pelo serviço de pós-venda, assistência técnica, cursos, teste-drive, loja de produtos licenciados e até espaço gourmet.

O Stark teve a fabricação transferida de Joinville (SC) para Sobral (CE), mas manteve a construção de chassi tubular com santo-antônio integrado sob a carroceria de painéis de material plástico reforçado e fibra de vidro. A estrutura é montada sobre suspensões independentes com braços em duplo A e dois amortecedores em cada roda.

O motor de quatro cilindros de 2.3 litros turbodiesel de 16 válvulas fornecido pela FPT (Fiat Powertrain Technologies) é o mesmo dos utilitários Fiat Ducato e Iveco. Alimentado por um sistema de injeção direta de combustível, o propulsor gera 127 cv de potência a 3.600 rpm e 32,6 kgfm de torque a 1.800.

O câmbio manual de cinco marchas da Eaton gerencia essa força ao sistema de tração 4×4 com reduzida fabricado pela BorgWarner e diferenciais Dana com bloqueio traseiro.

O Stark Black Cover é equipado de série com ar-condicionado, central multimídia, vidros, travas e espelhos elétricos, bancos de couro, cintos de segurança de três pontos, bancos traseiros rebatíveis, faróis de neblina, rodas de liga leve, entre outros.

Apesar do desenho futurista, o Stark tem uma proposta mais rústica para encarar os desafios do fora-de-estrada. A cabine é montada com peças bem familiares, encontradas nos modelos da família Fiat Palio. A posição de dirigir elevada, comum nos jipes, tem boa visibilidade e o volante com regulagem de altura facilita a acomodação do motorista. Com espaço limitado, os bancos traseiros são mais indicados para levar passageiros em trajetos curtos. No rápido contato que tivemos com o Stark, notamos que se trata de um veículo fácil de manobrar por conta do bom raio de giro de 5,60 metros e da direção hidráulica leve, mesmo com a tração 4×4 acionada e os pneus de uso misto.

Embora a unidade testada estivesse com o motor reprogramado para render 170 cv, notamos que se trata de um jipe mais agradável de guiar que o arisco Troller T4. No asfalto, as suspensões independentes mantêm o Stark equilibrado nas curvas feitas respeitando o porte e o centro de gravidade elevado do jipe. Mesmo não sendo equipados com ABS por conta da proposta de veículo off-road, os freios a disco nas quatro rodas se mostraram eficientes para conter o jipe de 1.710 quilos. O único incômodo é a imprecisão da alavanca de câmbio, que exige certo tempo para se acostumar.

Na demonstração feita pela TAC em uma trilha, o Stark comprovou ser um produto a ser bastante considerado pelos adeptos do 4×4. Conduzido por um instrutor da marca, o jipe superou obstáculos de média e alta dificuldades sem sofrimento graças aos bons ângulos de ataque (49 graus), saída (44º), transposição (29º) e inclinação lateral (45º). O Stark é capaz de atravessar alagamentos de até meio metro de profundidade. Com a reduzida acionada na alavanca mecânica no assoalho, o Stark atravessou erosões, encarou subidas íngremes e irregulares e até atravessou um pequeno trecho enlameado com uma desenvoltura de fazer inveja a muito utilitário de marca famosa. Embora a ficha técnica do motor não impressione, o conjunto motriz se mostrou adequado no uso extremo – mesmo entregando números inferiores aos 200 cv e 47 kgfm do Troller T4.

Quem quiser incrementar o jipe para deixá-lo ainda mais disposto para condições off-road, a TAC oferece uma gama de opcionais, como base para a instalação de guincho, snorkel, proteção do assoalho, homocinéticas reforçadas, bloqueio dos diferenciais dianteiro e traseiro com acionamento eletrônico e faróis de LED. Rodas e pneus maiores também são oferecidos sem a necessidade de alterar a suspensão.

Totalmente projetado no Brasil para competir com o agora conterrâneo Troller T4 (feito em Horizonte, no Ceará), o TAC Stark vai muito bem no off-road e até pode ser usado na cidade com certa dose de conforto. E com a vantagem de custar cerca de R$ 16 mil a menos que o rival.

Teste-drive a convite da TAC Motors
Fotos: Divulgação

Ficha técnica
 
CarroceriaComposto plástico e fibra de vidro, montada sobre chassi tubular de aço, três portas, quatro lugares
MotorDianteiro, longitudinal, injeção direta, turbo, intercooler, duplo comando de válvulas no cabeçote acionado por correia dentada, a diesel
Número de cilindros4 em linha
Número de válvulas16 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão19:1
Cilindrada2.287 cm³
Potência 127 cv a 3.600 rpm
Torque32,6 kgfm a 1.800 rpm
TransmissãoManual de cinco marchas
TraçãoTraseira e 4x4 com reduzida
DireçãoHidráulica
Suspensão dianteiraIndependente braços sobrepostos, dois amortecedores
Suspensão traseiraIndependente braços sobrepostos, dois amortecedores
Pneus e rodas 225/70 R16, liga leve 16"
Freios dianteirosDiscos ventilados
Freios traseirosDiscos ventilados
Volume do tanque de combustível 70 litros
Volume do porta-malas100 litros
Altura1,86 m
Comprimento4,08 m
Largura1,88 m (sem espelhos)
Entre-eixos 2,54 m
Peso em ordem de marcha1.710 kg
Vão livre do solo26 cm
Ângulo de ataque49º
Ângulo de saída44º
Ângulo de transposição29º
Travessia de água50 cm
Raio de giro5,60 m