O Departamento de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) recorreu ao célebre bordão “Quem não se comunica se trumbica”, do apresentador Chacrinha, para alertar os motoristas sobre o uso da seta no trânsito. A intenção do órgão é enfatizar a importância do recurso luminoso, cuja finalidade é comunicar aos demais condutores, ciclistas e pedestres a intenção de deslocar o veículo, seja para iniciar a marcha, realizar manobra de parada, mudança de direção ou de faixa de circulação.

O Detran.SP ressalta que indicar o deslocamento ou mudança de direção do veículo com antecedência não exige esforço algum do motorista: basta acionar a chave de seta na alavanca à esquerda do volante. Esse simples gesto pode preservar vidas, evitando acidentes e multas, entre outros aborrecimentos.

“Ao visualizar a seta, os condutores podem programar melhor a redução de velocidade ou frenagem, por exemplo, e os pedestres conseguem fazer travessias mais seguras. Ver e ser visto é indispensável e contribui para um trânsito mais seguro”, reforça Maxwell Vieira, diretor-presidente do Detran.SP.

Gestos com o braço também podem ser utilizados para complementar a sinalização com a seta, mas não pode substitui-la. O braço esticado, por exemplo, significa que o motorista vai entrar à esquerda; já ele dobrado para cima a 90 graus indica conversão à direita e o movimentando para cima e para baixo mostra a redução de velocidade do veículo.

Conforme prevê o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), deixar de dar a seta é considerado infração grave, que gera multa de R$ 195,23 e cinco pontos na habilitação. O proprietário do veículo precisa ficar atento às condições do sistema de iluminação e mantê-lo sempre bom estado de funcionamento.

Além do Detran.SP, por meio da Polícia Militar, as prefeituras e órgãos de trânsito rodoviários, como o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) também multam o não uso da seta em mudanças de direção e/ou deslocamento do veículo.