Desde a pré-venda, em junho deste ano, o Renault Kwid, que estreou como o segundo carro mais barato do Brasil, vem agitando o segmento de compactos de entrada. O novato fez tanto sucesso que a marca francesa chegou a disponibilizar um segundo lote de pré-venda em julho. Não demorou muito para o “efeito Kwid” mexer com a concorrência, que acabou baixando os preços de alguns modelos rivais. Por fim, em setembro o Kwid consolidou a sua presença no mercado brasileiro como o segundo veículo mais vendido no período, atrás apenas do líder Chevrolet Onix.

Duas das principais características que contribuem para a boa aceitação do Kwid são o preço atrativo na versão de entrada (R$ 29.990) e o moderno propulsor SCe 1.0 de três cilindros e 70 cavalos de potência. Claro que os três anos de garantia, dinâmica acertada entre outros destaques também favorecem o seu bom desempenho no mercado.

Ao mesmo tempo que a Renault comemora os números de vendas, já se cogita a possibilidade de o compacto deixar de ser filho único. Isso porque executivos da aliança Renault-Nissan deixaram escapar que a plataforma do Kwid (CMF-A) poderá ser utilizada para desenvolver modelos com diferentes tipos de carroceria.

Enquanto os futuros modelos da família Kwid são mantidos em segredo, o designer brasileiro Kleber Silva imaginou como seriam três irmãos do compacto. As projeções que podem ser vistas na galeria acima mostram o Kwid SUV, sedã e picape.

Acredita-se que os novos modelos baseados no Kwid devem ser lançados primeiramente no mercado indiano, sendo que outros mercados emergentes (entre eles, o Brasil) passariam a contar com os lançamentos posteriormente. De acordo com o cronograma da Renault, a nova família de modelos para países emergentes deverá estar completa até 2022.

Veja também: Renault Kwid Zen encara Fiat Mobi Like abaixo dos R$ 40 mil

Projeções: Kleber Silva, 25 anos, é designer gráfico, apaixonado por carros, miniaturas, filmes e músicas. Portfólio: https://www.behance.net/designerklebers