Novo Polo inicia cerimônia de adeus ao Gol

O novo presidente da Volkswagen do Brasil, o argentino Pablo Di Si, afirmou em seu primeiro pronunciamento no cargo que a marca alemã “joga para ganhar”, e – consequentemente – não para figurar num mero terceiro lugar em vendas, como é sua atual situação, atrás de General Motors e Fiat no mercado brasileiro.

A fabricante acaba de relançar o Polo, compacto premium que ela abandonara no Brasil em 2015, quando ainda era, de longe, o carro de melhor dirigibilidade da marca entre os produzidos no Mercosul. Quem gosta de guiar sabia apreciá-lo.

Nos planos da Volks, o novo Polo ficará entre os cinco carros mais vendidos do Brasil, façanha necessária para a retomada contra GM e Fiat e para manter distância de Ford, Renault e Hyundai. No acumulado do ano até setembro, segundo a Fenabrave (associação das concessionárias), o atual top five é o seguinte:

  1. Chevrolet Onix
  2. Hyundai HB20
  3. Ford Ka
  4. Renault Sandero
  5. Volkswagen Gol

É difícil imaginar um produto atraente como o novo Polo participando dessa lista? Claro que não. Mas algum modelo terá de sair para que ele entre. Qual?

A resposta pode estar no ranking de emplacamentos do mês de setembro, que registra a explosão de vendas de um modelo estreante, o Kwid. Veja:

  1. Chevrolet Onix
  2. Renault Kwid
  3. Ford Ka
  4. Hyundai HB20
  5. Chevrolet Prisma

Onde está o Gol? Está em sétimo lugar (ou seja, não aparece nem na foto, como se diz do goleiro que salta para o canto errado no pênalti), superado pelo Toyota Corolla, sedã médio que no acumulado do ano segue atrás do modelo da Volks – mas sabe-se lá até quando.

É FÁCIL
No lançamento do Onix, escrevi em UOL Carros que o compacto da GM decretaria o fim do reinado do Gol como modelo mais vendido do Brasil.

Isso aconteceu em 2014, quando o Fiat Palio – atualmente num melancólico 26º lugar em vendas – aproveitou a bola sobrando na área e chutou no ângulo, sem chance de defesa para a Volks. O título do modelo da Fiat encerrou 27 anos de hegemonia do Gol. Acertei, portanto – mas foi fácil. Tanto quanto é fácil responder qual carro será ultrapassado pelo Polo no caminho rumo à porção superior do ranking de vendas: será o Gol.

Atualmente, a Volks vende mais Gol no exterior do que no Brasil. A proporção é de 53% para exportação e 47% para consumo interno. O país do novo presidente da Volks é o que mais consome o compacto; de certa forma, a Argentina é mais estratégica para o Gol, hoje, do que o próprio Brasil.

É provável que essa demanda garanta vários anos de sobrevida ao Gol. Ao menos em tese, o up! já deveria tê-lo aposentado há tempos, uma missão que também foi especulada como sendo a do Fox – e também não cumprida. O Gol é um sobrevivente.

RISOS
Quando se pergunta informalmente a executivos da Volks se o Gol sairá de linha em breve (sendo “em breve” algo como 2020 ou 2021), a resposta pode ser uma gargalhada. “Não aposte nisso”, disse um deles. Até o fechamento desta coluna, perguntas formais sobre o destino do modelo, enviadas à assessoria de comunicação da empresa, não haviam sido respondidas.

Não importa. Está claro que o novo Polo vai despachar o Gol, em definitivo, para a mesma rota do ex-inimigo mortal Palio: a gradual invisibilidade no presente, contrastada com um passado glorioso como poucos.

Claudio de Souza é jornalista desde 1994 e atua no setor automotivo há mais de dez anos. Ex-editor de UOL Carros e Carro Online, ele recebeu o prêmio SAE de jornalismo online em 2011.
Em sua visão, carro tem de ser bom, e não apaixonante. Nesta coluna, discute semanalmente assuntos globais do setor automotivo.
claudiodesouza.colunista@gmail.com

Claudio de Souza: