Depois do escândalo de fraudes de emissões da Volkswagen, conhecido como Dieselgate, mais um grupo automotivo pode estar envolvido em uma polêmica com testes adulterados. De acordo com a reportagem publicada pelo jornal francês “Le Monde”, o Grupo Peugeot Citroën (PSA) também teria um programa de computador para alterar os testes de emissões de motores a diesel.

Ainda de acordo com o Le Monde, 2 milhões de veículos das duas marcas seriam fraudulentos. A PSA nega o uso de qualquer software, reiterou um porta-voz em resposta à reportagem do jornal. As ações do grupo caíram nas bolsas europeias na última sexta-feira (8). Segundo a reportagem, investigadores tiveram acesso a um documento interno da empresa com uma discussão sobre a necessidade de “tornar o dispositivo fraudulento menos óbvio e visível”.

Além da PSA, há suspeitas contra a Renault e a Fiat Chrysler Automóveis (FCA). Vale lembrar que o Grupo PSA se tornou o segundo maior em volume de vendas na Europa após comprar a Opel e a Vauxhall da General Motors em agosto.