A Volkswagen revelou nesta quinta-feira (27) as primeiras informações sobre o novo Polo, que será fabricado em São Bernardo do Campo (SP) para estrear no mercado brasileiro até novembro.Apresentada mundialmente em junho, a nova geração do hatch é uma das quatro novidades derivadas da plataforma modular MQB que a Volkswagen lançará no Brasil nos próximos anos. Segundo David Powels, presidente da marca no Brasil e na América Latina, “será a maior renovação da linha de produtos da história da Volkswagen no Brasil”.Além do Polo, o planejamento inclui o sedã Virtus no primeiro trimestre de 2018, enquanto um SUV compacto e uma picape do porte da Fiat Toro chegam até 2020.

Entre as recentes estratégias de comunicação da marca alemã, está a nova nomenclatura de seus carros. O Polo levará na tampa do porta-malas o emblema “200 TSI Automatic”, indicando os 200 Nm (20,3 kgfm) de torque da única motorização confirmada até o momento. O hatch será equipado com o motor 1.0 TSI flex de três cilindros, que gera 128 cv de potência (3 cv a mais que no Golf). Esse propulsor poderá ser associado a um câmbio automático de seis marchas – combinação inédita para essa motorização entre os modelos da marca.De acordo com a Volkswagen, o novo Polo será fabricado com aços de alta resistência para reduzir o peso da carroceria, aumentando a sua rigidez estrutural. Para suportar as condições do asfalto brasileiro, o Polo nacional terá a suspensão 20 milímetros mais alta que a do modelo europeu, além de receber um acerto diferenciado. Os sistemas serão do tipo McPherson na dianteira e eixo rígido interdependente na traseira. A Volks não divulgou as versões disponíveis, mas adiantou que o Polo terá rodas de 15, 16 ou 17 polegadas, dependendo da configuração.

Os pneus de baixo atrito, de medidas 185/65 R15, 195/55 R16 e 205/50 R17, terão indicadores de perda de pressão que monitoram a vibração das rodas e alertam o motorista por meio de avisos no painel sobre a necessidade de calibragem.

Nas versões equipadas com a motorização de três cilindros 1.0 TSI flex, o Polo nacional será equipado de série com freios a disco nas quatro rodas (15 polegadas na dianteira e 13 polegadas na traseira). O sistema antitravamento das rodas, chamado pela marca alemã de M-ABS, atuará em conjunto com os controles de tração e estabilidade (opcional nas demais configurações) e uma série de recursos de segurança.

Um dos principais destaques do Polo é o quadro de instrumentos 100% digital

Dependendo da versão, a nova geração do hatch poderá ser equipada com piloto automático, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, camera de ré, volante multifuncional, três tomadas USB, ar-condicionado digital e central multimídia. Nas configurações mais caras, a central será compatível com Apple CarPlay e Android Auto poderá conectar até dois smartphones simultaneamente.

Um dos principais destaques do Polo é o quadro de instrumentos 100% digital, que funciona de forma integrada com o sistema de entretenimento devido ao uso de cabos de fibra óptica.

Em termos de tecnologias e sistemas de segurança, o pacote de equipamentos do novato inclui ainda assistências de frenagem de emergência, de partida em rampa e de freio hidráulico (controla a pressão nos freios de acordo com a força imposta no pedal), além do bloqueio eletrônico do diferencial.

Destaque para o sistema de frenagem pós-colisão, que aciona os freios automaticamente depois de um impacto para impedir que o veículo provoque outro acidente. De acordo com a VW, cerca de 25% dos acidentes com vítimas ocorrem em colisões sequenciais.

A exemplo de modelos mais caros, o Polo terá o sistema que aproxima as pastilhas dos discos de freios para a secagem dos componentes em condições de chuva e, consequentemente, melhora a eficiência das frenagens. O recurso atua a cada 3 quilômetros quando os limpadores de para-brisas estão ligados.

Assim como o Golf, o Polo também conta com detector de fadiga que monitora as reações do motorista e, se for o caso, sugerir uma pausa para descanso após um longo período ao volante.

Fotos: Divulgação e Guilherme Silva