A Fiat anunciou na sexta-feira (9), no Salão de Buenos Aires, que o Tipo europeu será lançado no mercado argentino até o final do ano. O sedã fabricado na Turquia chegou a ser cogitado no Brasil na época do seu lançamento, em 2015, mas a Fiat preferiu investir na variante três-volumes do Argo após avaliar que o modelo chegaria caro por aqui por se tratar de um projeto global mais moderno. No entanto, a unidade exposta no salão portenho mostra que o Tipo poderia substituir o Linea no Brasil sem pretensões de competir com os caros sedãs médios (que superam facilmente os R$ 100 mil nas versões intermediárias), concorrendo com modelos como Chevrolet Cobalt e Honda City na faixa de preços de até R$ 80 mil.

Medindo 4,53 metros de comprimento, o Tipo é 4 centímetros mais curto e 2 cm mais baixo (1,48 m) que o Linea, mas os 5 cm extras na largura (1,78 m) e 4 cm na distância entre-eixos (2,64 m) em relação ao antecessor conferem ao Tipo maior espaço para as pernas dos passageiros do banco traseiro e mais 20 litros de capacidade no porta-malas (520 litros).

Por dentro, o Tipo exibe acabamento semelhante ao da picape Toro e ergonomia bem parecida com a do Argo. Os comandos de iluminação e do ar-condicionado, por exemplo, são idênticos aos do compacto, bem como a qualidade dos materiais da cabine. O interior do sedã é predominado por plásticos simples com texturas nas portas e no painel, mas a montagem das peças é bem executada.Equipado com ar digital, direção elétrica com função City (alivia o peso da assistência em manobras urbanas), volante revestido de couro, painel de instrumentos com tela digital de 3,5″, Isofix, seis airbags, controle de estabilidade e monitoramento da pressão dos pneus, o Tipo decepciona pela central multimídia UConnect com tela tátil de 5 polegadas, pequenina e simplória para a imponência do carro. O equipamento é mais simples que o oferecido no Argo, que possui tela de 7″, mais recursos e interface moderna.O Tipo será vendido na Argentina com motorizações 1.6 16V a gasolina (e.TorQ de 110 cv de potência) e turbodiesel (MultiJet II de 120 cv) com câmbio manual ou automático, ambos de seis velocidades. Caso fosse comercializado no Brasil, o propulsor mais indicado seria o 1.8 16V e.TorQ flex de 135/139 cv (gasolina/etanol) do Argo, mais adequado para empurrar os cerca de 1.400 kg do sedã.

No Brasil e outros países da América Latina, a Fiat lançará até 2018 a configuração três-volumes do Argo para competir no segmento de sedãs compactos. O novo carro atuará em diferentes faixas de preço, uma vez que substituirá as versões mais caras do Grand Siena e o Linea de uma só vez.

Fotos: Guilherme Silva e Divulgação