O Suzuki Vitara e o Chevrolet Tracker são velhos conhecidos do mercado brasileiro. O primeiro desembarcou no país no início da reabertura das importações na década de 1990, enquanto o último chegou por aqui anos depois, importado da Argentina, como uma versão rebatizada do próprio Vitara – a GM era representante da marca japonesa no país vizinho. Ambos ficaram conhecidos pela robustez e valentia no fora-de-estrada, mas com o passar dos anos sofreram mudanças que os transformaram em carros de vocação urbana.

Do antigo Tracker baseado na segunda geração do Vitara ficou apenas o nome. O modelo atual, lançado em 2013, ganhou no começo deste ano uma atualização visual, novos equipamentos e o motor Ecotec turbo do novo Cruze. O Suzuki também aposta na motorização turbinada e no design mais moderno, que pode ser personalizado com 22 combinações de pinturas do teto e da carroceria conforme a preferência do comprador.

Se na aparência as linhas mais genéricas do Tracker se distinguem do visual retilíneo do Vitara, sob o capô os SUVs guardam algumas semelhanças. Os dois são equipados com motores 1.4 turbo e câmbio automático de seis velocidades. O propulsor do Chevrolet gera 150 cv de potência e 24 kgfm de torque quando abastecido com gasolina. Com etanol, esses números sobem para 153 cv e 24,5 kgfm, respectivamente. Movido apenas a gasolina, o motor Booster Jet do Suzuki entrega 146 cv e 23,5 kgfm.

Com o novo motor turbinado, o Tracker bateu os rivais diretos do segmento nos testes de desempenho feitos pelo Instituto Mauá de Tecnologia, porém, não conseguiu superar o Vitara nas provas de aceleração e retomada mesmo levando vantagem nos números da ficha técnica. Por ser 243 quilos mais leve que o rival, o Suzuki precisou de apenas 8,6 segundos para atingir os 100 km/h, enquanto o Tracker levou 9,05 segundos na medição com etanol e 9,62 segundos com gasolina.

Cavalo que corre nem sempre come (bebe) muito – A diferença de peso também influenciou no consumo. O Vitara se tornou o mais econômico SUV compacto avaliado pelo teste Carsale-Mauá ao registrar 12,1 km/l em ciclo urbano e ótimos 18 km/l na estrada. Apesar da derrota para o Suzuki, o Tracker também mandou bem nas medições e ficou à frente da concorrência com médias de 11,2 km/l na cidade e 16,1 km/l em percurso rodoviário com gasolina (veja os testes completos nas tabelas abaixo).

Os dois SUVs são agradáveis de dirigir devido ao bom casamento dos motores turbo, que disponibilizam toda a força em baixas rotações, com as transmissões bem escalonadas. Mas o Suzuki se comporta melhor na hora de andar mais rápido, pois o seu câmbio permite esticar um pouco as marchas nas acelerações mais fortes e reduções a giros elevados (as trocas podem ser feitas nas borboletas atrás do volante, ausentes no Chevrolet, que possui teclas pouco intuitivas na alavanca). A caixa do Tracker é menos permissiva por priorizar o conforto e a economia de combustível.

Na atualização promovida no Tracker, a GM trocou a direção hidráulica por uma elétrica mais leve e precisa. Ainda assim, o sistema não é tão comunicativo quanto o do Vitara. O jipinho da Suzuki, aliás, também se mostra melhor acertado na hora de encarar trechos sinuosos por conta das suspensões mais firmes, que transmitem bastante segurança ao motorista nas curvas. Em contrapartida, essa firmeza deixa o rodar do Vitara menos confortável que o do Tracker em pisos irregulares.

Para levar uma família pequena, o Tracker oferece mais espaço para as pernas dos passageiros do banco traseiro. Mas essa vantagem acaba na hora de acomodar as bagagens, uma vez que o porta-malas do Vitara leva 69 litros a mais (375 litros ante 306 litros do Chevrolet). Em termos de acabamento, o Tracker chega a ser refinado diante da simplicidade do Suzuki. Enquanto o modelo da GM possui um aplique de couro e peças plásticas imitando alumínio no painel, o Vitara conta apenas com aros coloridos nas saídas do ar-condicionado. Por outro lado, o SUV japonês (apesar de ser fabricado na Hungria) reforça o seu caráter mais esportivo com os bancos parcialmente revestidos em camurça com costuras vermelhas.

O Vitara 4Sport como o testado pelo Carsale tem preço sugerido de R$ 107.990, mas a conta pode chegar a R$ 112.990 com o acréscimo da tração integral com quatro modos de condução. Nesse pacote, o SUV traz sete airbags (frontais, laterais, de cortina e para os joelhos do motorista), controles de estabilidade e tração, Isofix, sensor de chuva, faróis de LED com acendimento automático, ar-condicionado digital, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, sistema start-stop, chave presencial, controle de cruzeiro, rodas de 17 polegadas, central multimídia compatível com sistema Android, espelhamento de smartphones e câmera de ré – tudo controlado pela telona sensível ao toque de 10 polegadas que mais parece um tablet.

Mais em conta que o rival, o Tracker LTZ parte de R$ 92.390 com a regulagem elétrica do banco do motorista, rodas de 18 polegadas, teto solar elétrico, bancos de couro, central multimídia MyLink compatível com Android Auto e Apple Car Play, câmera de ré, sensor de estacionamento, sistema OnStar com pacote Exclusive acessível por aplicativo para smartphone (concierge, segurança, emergência, diagnóstico, navegação), além de retrovisores com aquecimento e alerta de ponto cego. O preço sobe a R$ 95.490 com o acréscimo dos airbags laterais e de cortina, mas ele ainda fica devendo os controles de estabilidade e tração, o ar digital e os faróis com acendimento automático presentes no Vitara.

O Vitara supera o Tracker em dirigibilidade, desempenho, consumo e equipamentos, mas poderia ter um acabamento mais caprichado. O que também pode pesar contra o jipinho é a pequena rede de concessionárias da Suzuki no Brasil. O Tracker melhorou consideravelmente com a nova motorização e aparece como uma opção interessante a quem procura algo diferente dos líderes Honda HR-V, Jeep Renegade e Nissan Kicks. Uma pena que a GM tenha deixado de lado equipamentos pontuais para a sua faixa de preços.

Suzuki Vitara 4Sport

Teste Carsale-Mauá
Gasolina
Consumo cidade12,1 km/l
Consumo estrada18 km/l
0 a 60 km/h3,83 segundos
0 a 100 km/h8,6 segundos
0 a 120 km/h11,94 segundos
Retomada 40 a 100 km/h6,61 segundos
Retomada 80 a 120 km/h6,09 segundos
Aceleração em 400 metros16,18 segundos - 138,71 km/h
Aceleração em 1000 metros29,84 segundos - 173,97 km/h
Frenagem 100 a 0 km/h46,3 metros

Chevrolet Tracker LTZ

Teste Carsale-Mauá
Gasolina
Etanol
Consumo cidade11,2 km/l7,8 km/l
Consumo estrada16,1 km/l12,2 km/l
0 a 60 km/h4,36 segundos4,08 segundos
0 a 100 km/h9,62 segundos9,05 segundos
0 a 120 km/h13,73 segundos12,80 segundos
Retomada 40 a 100 km/h6,85 segundos6,61 segundos
Retomada 80 a 120 km/h6,74 segundos6,62 segundos
Aceleração em 400 metros17,02 segundos - 132,97 km/h16,60 segundos - 136,65 km/h
Aceleração em 1000 metros31,33 segundos - 166,77 km/h30,57 segundos - 171,21 km/h
Frenagem 100 a 0 km/h52,9 metros52,9 metros

Ficha técnica

 
Suzuki Vitara 4Sport
Chevrolet Tracker LTZ
CarroceriaMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugaresMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, transversal, turbocompressor, injeção direta de combustível, duplo comando de válvulas acionado por corrente, a gasolinaDianteiro, transversal, turbocompressor, injeção direta de combustível, duplo comando de válvulas acionado por corrente, a gasolina/etanol
Número de cilindrosQuatro em linhaQuatro em linha
Número de válvulas16 (quatro por cilindro)16 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão9,9:110.0:1
Cilindrada1.373 cm³1.399 cm³
Potência143 cv a 5.500150 cv a 5.600/153 cv a 5.200 rpm (gasolina/etanol)
Torque23,5 kgfm a 1.700 rpm24 kgfm a 2.100/24,5 kgfm a 2.000 rpm (gasolina/etanol)
TransmissãoAutomática de seis marchasAutomática de seis marchas
TraçãoDianteiraDianteira
DireçãoElétricaElétrica
Suspensão dianteiraIndependente tipo McPhersonIndependente tipo McPherson
Suspensão traseiraEixo de torçãoEixo de torção
Pneus e rodas dianteiros215/55 R17, liga leve de 17 polegadas215/55 R18, liga leve de 18 polegadas
Pneus e rodas traseiros215/55 R17, liga leve de 17 polegadas215/55 R18, liga leve de 18 polegadas
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBDDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosDiscos sólidos com ABS e EBDTambores com ABS e EBD
Tanque de combustível47 litros53 litros
Volume do porta-malas375 litros306 litros
Altura1,61 m1,67 m
Comprimento4,17 m4,25 m
Largura1,77 m1,77 m
Entre-eixos2,50 m2,55 m
Peso em ordem de marcha1.170 kg1.413 kg
Carga útil560 kg416 kg
OrigemHungriaMéxico

Fotos: Guilherme Silva e Divulgação