Existem pessoas que gostam de carro. E outras que amam carros! Tem os que não gostam também, claro. Os que amam, assim como eu, carregam a paixão bem antes de terem idade para poder dirigir.

Por conta disso, é natural que quando adultos o desejo por carros que fizeram parte de nossa infância seja maior que por carros atuais. Não estou dizendo que não gosto dos modernos, mas os “ antiguinhos” são os que mexem mais comigo.

Resolvi imaginar quais carros antigos eu teria, caso tivesse um galpão com 10 vagas para guardá-los. É uma lista bem pessoal, nada racional e totalmente emocional. Longe de serem os melhores carros. São os que eu teria. Quem sabe ainda os terei?

1. Fiat Tempra 16v 1993

Já comentei em outras colunas minha obsessão pelo Tempra. Eu lembro da primeira vez que vi numa revista uma fotinho do modelo italiano. Levou algum tempo para chegar aqui no Brasil, mas quando veio eu simplesmente babava por ele.

Meu pai tinha um Fiat Prêmio na época, portanto seria o carro do meu pai melhorado em todos os sentidos. Em 1993, coube ao Tempra ser o primeiro nacional com motor multiválvulas. Meu pai me surpreendeu comprando um, e ainda me deixou escolher a cor, azul. Fiquei nas nuvens!

Ironicamente, ele não gostou do carro e ficou apenas um ano com ele. Um Tempra 16v 1993 teria lugar garantido no meu galpão. Esse é o ano que mais me agrada, por ter os faróis maiores, a grade com uma divisão horizontal no meio, as rodas cromadas de 14 polegadas, o painel com detalhes em “madeira” e os bancos em veludo liso. Ah, e hoje eu escolheria o vermelho.

2. Fiat Tipo 2.0 16v qualquer ano

Amante da Fiat como eu era, não poderia deixar de ter esse raro italianinho. Minha mãe teve um 1.6 95, o primeiro 0km dela.

Adorava aquele carro, mas o 2.0 16v que era “O Carro”! 137 cv, duas portas, frisos vermelhos que contornavam toda a linha dos parachoques e saias laterais, lanternas e rodas exclusivas, teto solar, bancos Recaro, painel completo. E a cereja do bolo: inscrição SEDICIVALVOLE (dezesseis válvulas em italiano) na tampa traseira.

Quase comprei um usado como primeiro carro em 2001 e me arrependo de não ter feito. No meu galpão, o escolhido seria um cinza.

3. Chevrolet Vectra CD 2ª geração

Em 1996, nosso mercado foi agraciado com um novo Vectra, comumente chamado de “B”. Fez filas nas concessionárias GM e em pouco tempo nossas ruas foram invadidas por ele.

Pudera: seu estilo estava bem à frente de seu tempo, com linhas limpas e irretocáveis. Detalhe jamais visto novamente eram os retrovisores, com linhas que começavam na grade, corriam pelo capô e terminavam nos retrovisores. Coisa linda!

Sou fã dos primeiros anos que os parachoques ainda tinham detalhes pretos que acompanhavam as linhas dos faróis e lanternas. O CD era mais refinado, com motor 16v, lanternas fumês, rodas de 15 polegadas, detalhes na cor do carro, teto solar e mais uma infinidade de opcionais.

E como a dirigibilidade era perfeita, no meu galpão teria que ser um com câmbio manual, para ter o máximo de prazer na hora de guiá-lo. E de preferência na cor vinho.

4. Chevrolet Omega CD 3.0

Eu não gostava do “Absoluto”. Achava feio o design, com detalhes de gosto duvidoso como os para-lamas traseiros que cobrem as rodas e as janelas triangulares depois da porta traseira.

 

Acontece que meu pai comprou um depois do Tempra e, diz ele, foi dos melhores carros que teve. Aprendi a respeitar o “Omegão” e hoje o enxergo com outros olhos.

O que mais me atrai é o CD dos primeiros anos, com o motor alemão de 6 cilindros. É justamente o mais caro e difícil de manter, mas é o que eu acho mais legal.

Dispenso o câmbio automático, mas tem que ter os outros opcionais, como painel digital, teto solar e sistema de som com CD e toca-fitas. Quanto a cor, ficaria na eterna dúvida entre azul e vinho.

5. Alfa Romeo 164 12v

No meu galpão poderia entrar qualquer Alfa, tamanha minha admiração pela marca. Mas a 164… Suspiro só de pensar!

Os mestres do estúdio Pininfarina fizeram uma obra de arte que, pensando bem, nem ficaria no meu galpão, mas sim no meio da minha sala para poder ser sempre admirado.

O melhor deles é o 24v. Mas o design do 12v é o que mais me encanta, com os para-choques cinza-escuro mais recuados em relação à carroceria.

Para uma criança, que gosta de botões, nada melhor que o painel de uma 164 que mais parecia um piano. A cor podia ser até amarelo com bolinhas roxas que continuaria um carro belo. Porém sou apaixonado pelo vinho.

6. Alfa Romeo 156

Quando me perguntam qual é o sedã médio mais bonito de todos os tempos, não penso duas vezes em dizer que é a 156.

Exagero? Coloque-a do lado de qualquer Civic, Corolla, Sentra, Cruze, Lancer, Jetta, Focus… Não tem para ninguém!

O “cuore sportivo” invadindo o parachoque, a placa dianteira deslocada para o lado, as maçanetas das portas traseiras embutidas, as pequenas lanternas horizontais, as rodas com aros redondos… Tudo é de babar!

E o que dizer do interior, com volante de madeira e relógios no console voltados para o motorista. Não dá para começar uma coleção sem ele. Outro que fica bem em qualquer cor, mas escolheria o tradicional prata.

7. Citroën XM

Agora vão me chamar de maluco, afinal, 99,9% dos XMs vendidos no Brasil estão abandonados em alguma rua ou oficina.

A explicação é simples: o carro parece uma nave espacial e ainda por cima tem aquela suspensão maluca que permite baixar a carroceria até o chão.

Eu tinha uma fita VHS do lançamento desse carro, que sei lá como foi parar lá minha mão. Assisti tantas vezes que ainda tenho as imagens na cabeça.

A cor escolhida, definitivamente teria que ser um verde claro que certa vez vi em uma XM Break, a perua de quase 5 metros da Citroën.

8. Mercedes-Benz S600 W140

Existe uma aura nos carros da Mercedes que não encontramos em nenhuma outra marca. Por volta de 1992, um amigo do meu pai, um milionário de Santa Catarina, comprou uma S500. Eu nunca vi o carro, mas meu pai andou nele e contou algumas coisas que me deixaram de boca aberta, como as portas que tinham um sistema de sucção que nunca as deixava mal fechadas e o ar condicionado digital.

É um baita sedã, extravagante e desnecessário, mas já que é para chutar o balde, na minha coleção entraria o S600 com o insano motor V12 na cor azul clara.

9. BMW M5 E39

As BMW dos anos 90 são as mais lindas, em minha opinião. Tinham desenhos limpos, mas sempre com muita imponência.

A M5 era o máximo para mim, com seus números insanos. Era um V8 de 400 cv com câmbio manual de 6 marchas, configuração impensável nos dias de hoje.

Eu me lembro muito bem das avaliações de época que diziam que era possível dirigir a maior parte do tempo apenas em 4ª marcha, tamanho era o torque que o motor tinha.

É um carro encantador, que teria lugar no meu galpão de colecionáveis. A cor, teria que ser o azul metálico.

10. Nissan Maxima

Em nenhum momento esse sedã japonês foi objeto de desejo para mim. Longe de ter a beleza dos italianos e alemães, passou despercebido por mim.

Somente em 2015, quando tive a oportunidade de comprar um, pude conhecer mais o carro e acabei me surpreendendo.

Hoje ele ocupa um lugar especial na minha garagem e jamais pretendo me desfazer dele. Já que esse galpão imaginário só tem 10 vagas, a única certeza que tenho é que essa lista só pode ser o Maxima e mais 9.

A versão escolhida seria a 30GV Aero azul… Ops, exatamente a que eu tenho!

Bônus – Ferrari F40

Para fechar com chave de ouro, a máquina que todo garoto da minha geração teve em algum momento da vida. Como miniatura, claro.

Bem, eu tive tantas que nem consigo contar, fora o quadro pendurado na parede do meu quarto. Tive dois contatos pessoais com a F40, uma no Salão do Automóvel de 1990 e outra na antiga concessionária da Ferrari que ficava na Av. Europa, aqui em São Paulo.

Sério, ela estava lá, no fundo da loja. Fiquei maluco quando vi aquela frente inconfundível. Se alguém dúvida que tem uma aqui no Brasil, eu garanto que tem. A cor? Será que preciso dizer?

Bom, colecionar carros é um hobby para poucos, mas não custa nada sonhar. Eu gostaria de ouvir você, meu caro leitor, quais seriam os 10 carros que entrariam na sua coleção.

Felipe Carvalho é o primeiro caçador profissional de carros do Brasil. Acesse o site www.cacadordecarros.com.br e saiba mais. Inscreva-se no canal do Caçador de Carros no YouTube e curta a página de Felipe no Facebook.