A Mercedes-Benz vende no Brasil desde o começo de fevereiro o GLC 250 Coupé, o seu primeiro SUV médio que segue o estilo de carroceria cupê – lançado em 2008 pelo BMW X6 (o grandalhão GLE Coupé é vendido no país desde o ano passado). Oferecido em configuração única, o modelo chega com preço sugerido de R$ 299.900 para concorrer com o BMW X4 xDrive28i Line (R$ 309.950).

Segundo a própria Mercedes-Benz, a proposta do GLC 250 Coupé é reunir o conforto e a robustez de um SUV com a esportividade de um cupê. O visual agressivo é reforçado pelos elementos estéticos da divisão de alto desempenho AMG, que incluem para-choques com entradas de ar maiores e apliques em alumínio, grade frontal com acabamento exclusivo e as enormes rodas de liga leve de 20 polegadas.

A motorização é a mesma do sedã C250 (com o qual compartilha a plataforma): quatro cilindros 2.0 turbo a gasolina, que gera 211 cv de potência e 35,7 kgfm de torque. O propulsor trabalha em conjunto com a caixa automática de nove marchas e o sistema de tração integral 4MATIC.

De série, o GLC 250 Coupé traz faróis full LED com iluminação de neblina integrada, ar-condicionado automático de duas zonas, central multimídia com câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, teto solar elétrico, porta-malas com abertura e fechamento automático, assistente de estacionamento, chave presencial com botão de partida no painel, entre outros.

No quesito segurança, o SUV é bem servido, pois sai de fábrica com sete airbags (frontais, laterais, de cortina e para o joelho do motorista), freios com ABS, controles eletrônicos de estabilidade e tração e o Crosswind Assist, sistema que atua nos freios para minimizar os efeitos dos ventos laterais.

Por dentro, o GLC 250 Coupé traz o já conhecido bom acabamento dos carros da marca na montagem da cabine, que conta com material macio ao toque no painel e na parte superior das laterais das portas, apliques black piano (plástico preto brilhante) nas saídas do ar-condicionado e no console central. O volante, de base achatada e revestido em couro, também faz parte do pacote AMG – assim como os confortáveis bancos revestidos de material que imita couro que podem ser escolhidos na cor preta ou na combinação preto com vermelho.

Impressões – apesar da aparência invocada, o GLC 250 Coupé tem uma pegada que prioriza o conforto. A cabine leva quatro adultos com folga, embora o espaço para as pernas do passageiro do meio seja um pouco limitado por conta da altura do túnel central (por onde passa o eixo do diferencial traseiro). O espaço no porta-malas também é generoso: 645 litros de capacidade.

O temperamento do GLC 250 Coupé pode ser configurado em cinco modos de condução (Individual, Econômico, Conforto, Sport e Sport+), que podem priorizar desde a economia de combustível até o desempenho do carro. O motor 2.0 turbo de 211 cv dá conta de empurrar os 1.735 kg do SUV em qualquer situação, pois entrega o torque máximo entre 1.200 e 4.000 rpm. O bom escalonamento do câmbio automático de nove velocidades – que pode ser operado manualmente nas borboletas atrás do volante – também contribui para a boa disposição do GLC 250 Coupé. Segundo os dados de fábrica, o SUV acelera de 0 a 100 km/h em 7,3 segundos e atinge os 222 km/h de velocidade máxima.

Por fazer parte da família de utilitários esportivos da Mercedes-Benz, o GLC 250 Coupé é dotado do sistema de tração integral 4MATIC, que envia 45% da força do motor às rodas dianteiras e os 55% restantes ao eixo traseiro – essa relação pode variar de acordo com a demanda detectada pelo sistema.

O GLC 250 Coupé mostra maior refinamento que o BMW X4 xDrive28i (2.0 turbo de 245 cv) em termos de acabamento, design da cabine e itens de conveniência, mas fica devendo um pouco na hora de entreter o motorista. O SUV da BMW tem uma dinâmica mais afinada, que se aproxima mais da tocada de um sedã que o Mercedes. E pela faixa de preços na qual está sendo oferecido, o GLC 250 Coupé bem que poderia trazer os recursos de assistência de condução (como detector de ponto cego, assistente de mudança de faixa, alertas de colisão) que já equipam de série as versões mais caras de modelos de segmentos inferiores.

Mercado – a Mercedes-Benz não fala em números de vendas, mas diz que o cupê deve responder por 55% do mix da linha GLC. Com a chegada do novo modelo, a marca aumenta a sua participação nos segmentos de SUVs premium, uma vez que já oferece no Brasil os modelos GLA, GLE, GLE Coupé, GLS e o icônico G (vendido sob encomenda).

Ficha técnica

 
 
CarroceriaMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, longitudinal, injeção direta, comando duplo de válvulas, turbocompressor, intercooler, a gasolina
Número de cilindrosQuatro em linha
Número de válvulas16 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão9,8:1
Cilindrada1.991 cm³
Potência211 cv a 5.500 rpm
Torque35,7 kgfm entre 1.200 e 4.000 rpm
TransmissãoAutomática de nove marchas
TraçãoIntegral (45% dianteira, 55% traseira)
DireçãoElétrica
Suspensão dianteiraIndependente, braços sobrepostos
Suspensão traseiraIndependente, braços sobrepostos
Pneus e rodas dianteiros255/45 R20, liga leve de 20 polegadas

Pneus e rodas traseiros285/45 R20, liga leve de 20 polegadas
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Tanque de combustível66 litros
Volume do porta-malas645 litros
Altura1,60 m
Comprimento4,73 m
Largura1,89 m
Entre-eixos2,87 m
Peso em ordem de marcha1.735 kg
Carga útil700 kg

Fotos: Guilherme Silva e Divulgação