O Fiat Mobi foi lançado em abril do ano passado prometendo ser um concorrente à altura do Volkswagen up!, a referência em eficiência e qualidade de construção entre os modelos de entrada. A expectativa era que o subcompacto estreasse com o novo motor FireFly 1.0 de três cilindros, mas a Fiat preferiu lançá-lo com o longevo Fire 1.0 da dupla Palio e Uno, tirando do Mobi o fator novidade que poderia embalar as suas vendas logo de cara.

O Mobi ainda não vendeu como a Fiat previu, mas essa história pode mudar com a oferta da versão Drive (a partir de R$ 40.670), lançada em novembro. Com o motor tricilíndrico sob o capô, o Mobi começa a justificar a sua existência como uma opção (ainda) menor e mais em conta que o Uno no portfólio da marca. Além de melhorar a dirigibilidade do subcompacto, o novo propulsor garantiu ao Mobi o título de carro mais econômico de 2016 no Ranking Carsale-Mauá (veja os números do teste no final da matéria).

O que é o Mobi Drive? – a configuração conviverá por tempo indeterminado com as outras seis versões equipadas com o veterano Fire 1.0. Além do propulsor de três cilindros, o Mobi Drive é equipado com direção elétrica, enquanto os irmãos ainda contam com assistência hidráulica.

Mesmo com um cilindro a menos, o motor FireFly 1.0 (lançado no Uno) entrega números de potência e torque um pouco superiores que os do antigo Fire 1.0 (até 75 cv e 9,9 kgfm com etanol). São 72 cv de potência a 6.000 rpm e 10,4 kgfm de torque a 3.250 rpm com gasolina e 77 cv (a 6.250 rpm) e 10,9 kgfm com etanol no tanque. Além disso, o propulsor elimina a necessidade do tanquinho de gasolina para partidas a frio.

O Mobi Drive é equipado de série com ar-condicionado, computador de bordo, painel com tela digital, chave canivete com telecomando, vidros elétricos dianteiros com função “um toque”, travas elétricas nas quatro portas, limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro, abertura interna das tampas do tanque de combustível e do porta-malas, volante com regulagem de altura, cintos de segurança dianteiros com regulagem de altura, banco traseiro bipartido, sinalização de frenagem de emergência. A Fiat oferece dois pacotes de opcionais (Kit Tech e Live On), que adicionam faróis de neblina, alarme, retrovisores elétricos com repetidores de seta, banco do motorista com regulagem de altura, sensor de estacionamento traseiro, sistema de som com USB e Bluetooth, volante multifuncional, console de teto com espelho auxiliar e rodas de liga leve.

A diferença entre eles é que o Kit Tech (R$ 4.578) conta com o rádio Connect, enquanto o Live On (R$ 4.731) consiste em um suporte que faz do celular do motorista a central multimídia do carro. Para utilizar o sistema, é necessário parear o aparelho com o Live On e, por meio de um aplicativo, controlar funções do rádio, apps de músicas e até receber dicas de como dirigir de maneira mais econômica.

Como anda – as diferenças entre o Mobi Drive e as demais versões com o motor Fire são notadas logo após a partida. O propulsor (com apenas seis válvulas, duas por cilindro) confere boa agilidade a giros baixos e deixa o subcompacto bem mais esperto nas saídas de semáforos e ladeiras. Apesar de exigir trocas de marchas frequentes para embalar o carrinho, o motor tricilíndrico tem boa elasticidade acima dos 3.000 rpm, deixando a condução na estrada bem mais agradável em relação ao Fire 1.0.

Embora tenha desempenho superior, fica claro que o foco do novo motor é economizar combustível. Para efeito de comparação, o Mobi Drive atingiu uma média rodoviária de 20,9 km/l com gasolina, enquanto a versão Like, equipada com o antigo Fire de quatro cilindros, registrou 17,2 km/l com o mesmo combustível – testes realizados pelo Instituto Mauá de Tecnologia.

Além de ter deixado o Mobi mais econômico e valente, o motor FireFly melhorou a dirigibilidade do subcompacto por vir acompanhado de uma direção elétrica mais precisa que a hidráulica das outras versões. O sistema conta com um botão no painel que aciona o modo City, que a deixa ainda mais leve, facilitando a vida do motorista em manobras de estacionamento.

O acerto das suspensões também merece elogios. O conjunto é eficiente na hora de absorver a buraqueira do asfalto e ainda transmite segurança ao condutor ao controlar muito bem a rolagem da carroceria nas curvas.

Fora o novo motor, a cabine do Mobi Drive é idêntica às das outras configurações: desenho criativo e peças em plástico rígido e espaço é ideal para dois adultos, já que o banco traseiro é mais indicado para duas crianças por conta das dimensões reduzidas (entre-eixos de apenas 2,30 metros). O porta-malas acomoda apenas 215 litros, mas na versão Drive conta com o cargo box, uma caixa removível com tampa que serve para acomodar objetos menores e dividir o compartimento (uma tentativa de imitar a divisória regulável do assoalho do up!).

O Mobi Drive passa dos R$ 45 mil se equipado com um dos sistemas de áudio oferecidos como opcionais. Não é barato, ainda mais se tratando de um carro tão pequeno e de vocação urbana. No entanto, nesta versão, o Mobi comprovou na prática (no uso e na pista de testes) que deveria ter nascido com o novo motor.

Teste Carsale-Mauá

 
Gasolina
Etanol
Consumo cidade15,7 km/l11 km/l
Consumo estrada20,9 km/l14,4 km/l
0 a 60 km/h6,63 segundos5,87 segundos
0 a 100 km/h16,48 segundos14,92 segundos
0 a 120 km/h25,11 segundos23,25 segundos
Retomada 40 a 100 km/h17,25 segundos14,45 segundos
Retomada 80 a 120 km/h19,92 segundos16,24 segundos
Aceleração em 400 metros20,21 segundos (111,08 km/h)19,52 segundos (112 km/h)
Aceleração em 1000 metros37,52 segundos (136,34 km/h)36,54 segundos (137,18 km/h)
Frenagem 100 a 0 km/h58,4 metros58,4 metros

Ficha técnica

 
 
CarroceriaMonobloco em aço, cinco portas, cinco lugares
MotorDianteiro, transversal, injeção multiponto sequencial, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por corrente, variador de fase, a gasolina e/ou etanol
Número de cilindrosTrês em linha
Número de válvulas6 (duas por cilindro)
Taxa de compressão13,2:1
Cilindrada999 cm³
Potência 72 cv a 6.000 rpm (gasolina) / 77 cv a 6.250 rpm (etanol)
Torque10,4 kgfm a 3.250 rpm (gasolina) / 10,9 kgfm a 3.250 rpm (etanol)
TransmissãoManual de cinco marchas
TraçãoDianteira
DireçãoElétrica
Suspensão dianteiraIndependente tipo McPherson
Suspensão traseiraEixo de torção
Pneus e rodas dianteiros175/65 R14, aço de 14 polegadas

Pneus e rodas traseiros175/65 R14, aço de 14 polegadas
Freios dianteirosDiscos ventilados com ABS e EBD
Freios traseirosA tambor com ABS e EBD
Tanque de combustível 47 litros
Volume do porta-malas 215 litros (225 litros com o encosto do banco traseiro inclinado)
Altura1,50 m
Comprimento3,56 m
Largura1,63 m
Entre-eixos 2,30 m
Peso em ordem de marcha945 kg
Carga útil400 kg

Fotos: Divulgação