Segundo uma pesquisa feita pelo Centro de Tecnologia da seguradora Allianz e a Continental AG, cerca de 40% dos acidentes com veículos que resultam em perdas ou danos materiais acontecem ao manobrar ou estacionar o carro.

De acordo com o estudo, que analisou 3.500 casos, a frequência desses acidentes aumentou mais de 30% nos últimos dez anos e correspondem a 44% dos incidentes com perdas ou danos materiais e 39% das colisões físicas de danos plenos.

Principal causa: formato dos veículos – o levantamento aponta que o aumento dos acidentes durante o estacionamento e manobras pode ser atribuído às mudanças nos formatos dos veículos e ao crescimento da urbanização. Nas últimas décadas, os carros ficaram mais largos e compridos, enquanto o tamanho das vagas permaneceu o mesmo. Além disso, a visibilidade dos condutores foi consideravelmente reduzida, especialmente nas janelas traseiras e laterais, como consequência das mudanças na estrutura e no design. A Allianz diz que picapes e vans provocam 30% mais acidentes que veículos pequenos ou compactos.

Marcha à ré – a grande maioria dos incidentes ocorre ao estacionar ou manobrar em marcha à ré. Essas situações são responsáveis por mais de 70% dos sinistros e cerca de 85% dos pedidos de indenização por danos materiais plenos. Quase a metade dos pedidos de indenização recebidos analisados pelo estudo (41,7%) resultou de batidas de um veículo contra outro parado, sendo que o primeiro estava estacionando ou manobrando em marcha à ré. A pesquisa mostrou também que uma a cada cinco manobras envolveu dois carros que colidiram quando ambos estavam parando de marcha à ré.

Estacionar ou manobrar pode causar ferimentos graves – a proporção de acidentes de estacionamento e manobras que causam o acionamento de seguro automotivo por lesões corporais é de 4%, consideravelmente menor do que para reivindicações de perdas ou danos materiais. No entanto, aqueles que envolvem pedestres ou ciclistas podem ser graves – dois terços das vítimas são pessoas a partir de 65 anos. Nos casos analisados, esses acidentes foram provocados exclusivamente pela direção à marcha à ré.

Sistemas de auxílio de estacionamento podem ajudar no futuro – o estudo mostrou que muitos sistemas de alerta de estacionamento instalados em carros mais novos têm atuação limitada, pois não cobrem as laterais dos veículos e fazem com que muitos motoristas confiem demais nesses dispositivos e não agem com a rapidez necessária. “Os primeiros sistemas inteligentes de auxílio ao condutor, como os assistentes de estacionamento e os freios autônomos de emergência para manobrar ajudarão a reduzir significativamente este risco no futuro”, disse Wolfgang Fey, chefe da área de Surround View do departamento de Sistemas de Assistência ao Condutor da Continental.

Fotos: iStock e Divulgação