O Salão do Automóvel de São Paulo não é apenas o grande evento para as montadoras apresentarem os seus lançamentos, mas também é a oportunidade para outras empresas do setor automobilístico mostrarem os seus produtos ao mercado. No evento é possível conhecer desde as últimas novidades em acessórios e som automotivo a carros blindados e até mesmo tecnologias de uso militar.

Um pouco afastado dos holofotes dos estandes das principais marcas, um veículo com ares de utilitário e tanque de guerra chama a atenção de quem circula pelo pavilhão do São Paulo Expo. Trata-se do Gladiador II, um blindado destinado às Forças Armadas, desenvolvido e fabricado pelo Grupo Inbra (conglomerado empresarial com sede em Mauá, na Grande São Paulo, que produz desde filtros e tecidos industriais a materiais balísticos e blindagem de automóveis).

Embora seja classificado pelo fabricante como “Viatura Blindada Multitarefa – Leve de Rodas”, o Gladiador II pesa mais de oito toneladas vazio. Esse peso pode chegar a 9.200 quilos somando os 120 litros de combustível, armamentos, outras cargas e os cinco ocupantes (o número de tripulantes pode ser configurado de acordo com o uso para qual o veículo será destinado).

Construído em aço balístico, o blindado suporta disparos de fuzil calibre 7.62 e possui proteção anti-explosivos no assoalho. Apesar da aparência rústica, o Gladiador II conta com ar-condicionado e freios com sistema antitravamento (ABS). Ele ainda pode receber opcionais, como sistemas de pressurização da cabine e de extinção de incêndio (cabine, motor e rodas), blindagem adicional, guincho elétrico e proteção nos pneus.

Dotado de tração nas quatro rodas, o blindado é movido por um motor de quatro cilindros de 4.8 litros a diesel, que desenvolve 185 cv de potência a 2.200 rpm e 70,3 kgfm de torque entre 1.200 e 1.600 rpm. A transmissão é automática de seis marchas.

Com preço estimado de US$ 750 mil (cerca de R$ 2,5 milhões em conversão direta), o veículo só pode ser adquirido por Forças Armadas, segundo o Grupo Inbra. Apesar de custar tanto quanto um superesportivo de luxo, o Gladiador II não passa dos 100 km/h.

Fotos: Guilherme Silva