A Fiat, aos poucos, vai atualizando a sua linha de veículos no Brasil. Amarca já havia deixado de fabricar os modelos Bravo, Idea e Linea, Idea e Bravo)em junho e agora é a vez do compacto 500 e do crossover Freemont saírem, por ora, dos planos da empresa no país. De acordo como site Autos Segredos, do jornalista Marlos Ney Vidal, os dois modelos foram importados até a linha 2015. Os estoques remanescentes não serão repostos, segundo a página especializada em segredos automotivos.

O principal motivo para a retirada dos modelos importados do México do mercado brasileiro é o alto valor do dólar, que eleva os preços dos carros. Com o maior custo de importação, o preço de ambos subiram consideravelmente – principalmente em 2015. O 500 mexicano, que chegou a ser vendido por R$ 39.990 em 2011, atualmente é oferecido R$ 56 mil na versão de entrada, enquanto a variante esportiva Abarth chegava a elevados R$ 94 mil.

O 500 emplacou apenas 2.200 em seus primeiros dois anos no Brasil e estava fadado ao fracasso. A reação da Fiat foi importar as versões Cult fabricadas no México, equipadas com o conhecido motor 1.4 EVO flex de 88 cv de potência (com etanol) herdado dos primos Palio e Uno. A adoção do motor mais simples surtiu efeito e as vendas do 500 chegou a superar 1.000 unidades mensais, fechando 2012 com 15.922 emplacamentos. Dois anos depois, o bloco 1.4 EVO chegou à variante conversível, anteriormente disponível apenas com o 1.4 MultiAir.

Já o Freemont, que na verdade é um Dodge Journey menos potente, é equipado com um bloco de quatro cilindros de 2.4 litros a gasolina de 173 cv – o Journey é movido por um V6 de 270 cv. O crossover chegou em 2011 com preço inicial de R$ 81.600, mas hoje é tabelado em R$ 109.500. Porém, com a ascensão do segmento de SUVs, o modelo da Fiat foi perdendo vendas, ainda que fosse a versão de 7 lugares mais barata nessa fatia do mercado. Em 2012 foram 11.330 unidades vendidas, enquanto em 2016, até o momento, foram apenas 518 vendas. O modelo será substituído em até dois anos pela variante SUV da picape Toro, fabricada em Pernambuco.

Fotos: Divulgação