O Grupo Volkswagen vendeu 759.400 carros em agosto ao redor do mundo, um aumento de 1,8% perante o mesmo mês do ano passado. Isso representa um crescimento de 6,3% das vendas do grupo no acumulado entre janeiro e agosto, um ótimo desempenho se lembrarmos do escândalo dieselgate. O maior crescimento foi na China, onde as vendas subiram 9,4%.

Obviamente, a maior marca dentro do grupo é a Volkswagen, com 453.200 vendas no oitavo mês do ano, o que representa 4,7% ao ano, em seguida a Audi, que cresceu 2,9% e chegou a 132.300 unidades vendidas. Skoda, Seat e Porsche vendera 80.700, 25.300 e 19.100, respectivamente. A divisão de veículos comerciais do grupo cresceu 25,3% e alcançou 35.500 unidades.

“Todas as marcas do Grupo tiveram um desempenho sólido em agosto e nos primeiros oito meses. Os nossos modelos foram particularmente fortes na Ásia-Pacífico e Europa. No entanto, a nossa tarefa agora é para fortalecer e expandir esta confiança na região da América do Norte “, disse Fred Kappler, chefe do Grupo de Vendas.

Na ponta de baixo está a América do Sul, que viu suas vendas caírem 25,3% no acumulado dos oito meses em comparação com o mesmo período do ano passado. A queda foi acentuada pelo Brasil, que registrou perdas de 34% nas entregas. Na comparação entre agosto de 2015 e agosto de 2016, os números são ainda piores, já que a Volkswagen do Brasil registrou queda de 44,7%.