A Mini apresentou na última quinta-feira, 18, a nova geração do Cooper Cabrio. Além do renovado padrão de design já presente em outros modelos da linha, o conversível traz o novo motor 2.0 TwinPower Turbo, de quatro cilindros e 192 cv de potência. Lançado na Europa em fevereiro deste ano, o novo Cooper Cabrio está disponível nas concessionárias, somente na versão S, pelo preço sugerido de R$ 164.950.

Além dessas novidades, o conversível está maior que a geração anterior: 9,8 cm mais longo, 4,4 cm mais largo, e 1 cm mais alto. A distância entre-eixos avançou 2,8 cm. O modelo traz como itens de série ar-condicionado digital de duas zonas, head-up display (que projeta informações como o velocímetro em uma tela de acrílico acima do volante), faróis de led, controle adaptativo de velocidade e frenagem de emergência.

O principal atributo da versão, a capota de tecido, pode ser aberta em 18 segundos e em velocidades de até 30 km/h. O teto conta ainda com três posições: fechada, semiaberta (simulando um grande teto solar) e completamente aberta. O item também pode ser personalizado com a estampa da bandeira do Reino Unido.

Visualmente, o modelo se diferencia apenas pelo teto, enquanto as demais linhas são exatamente iguais. Exceto pelas rodas, que contam com desenho exclusivo. Aliás, o Cooper Cabrio também pode ser equipado com pneus RunFlat, que rodam mesmo após algum furo.

O Mini Cabrio também oferece, de série, uma vasta gama de tecnologias voltadas para auxiliar o motorista, entre elas, direção assistida Servotronic, controles dinâmicos de estabilidade e tração, controles de velocidade cruzeiro, suspensão adaptativa, câmera de ré, sensores de estacionamento traseiro, de chuva e crepuscular, e o Driving Modes, em que é possível optar entre três modos de condução – Green (econômico), Sport (esportivo) e MID (balanceado).

Como anda

Quando falamos de esportivos deixamos um pouco de lado a razão. Nesse tipo de veículo, o que conta é a diversão. E isso está muito presente no Mini Cooper Cabrio S. Os 192 cv e 28,5 kgfm de torque empolgam quem está atrás do volante. O bloco funciona em ótima sincronia com a transmissão automática de seis velocidades. A diversão fica ainda mais legal ao utilizar as borboletas atrás do volante para a troca de marchas.

Como em qualquer esportivo, a suspensão é firme e garante boa estabilidade, em detrimento do conforto. Porém, se comparado a geração anterior, o modelo certamente está mais macio. Por falar me conforto, como era de se esperar, o modelo não possui um ótimo isolamento acústico, o que era de se esperar, mas a marca compensa isso com o som Hi Fi Harman/Kardon que conta com 12 alto-falantes e tem 410 watts de potência.

No entanto, é com silêncio dentro do cabine em que se diverte mais, pois o barulho da turbina e os estouros no escapamento ficam mais alto, tirando sorrisos do condutor.

Infelizmente não foi possível aproveitar a capota abaixada, uma vez que durante o trajeto entre São Paulo e Guarujá encontramos mau tempo.