A Jaguar Land Rover não deixará de participar do universo dos carros autônomos. O grupo britânico anunciou que já trabalha no desenvolvimento de tecnologias capazes de conduzir o veículo sem intervenção do motorista.

A mais recente informação nesse sentido é que a empresa pretende criar uma frota de mais de 100 veículos de pesquisa ao longo dos próximos quatro anos para desenvolver e testar uma gama de tecnologias de condução conectada e autônoma ( Connected Autonomous Vehicle – CAV). Os primeiros experimentos estão programados para começar este ano em um percurso de 66 quilômetros nas estradas e vias urbanas próximas a Coventry e Solihull (Reino Unido), onde estão situadas duas fábricas da empresa.

De acordo com a Jaguar Land Rover, os primeiros testes envolverão tecnologias que possibilitam a comunicação de veículo para veículo, permitindo alertas sobre interferências em rodovias, canteiros de obras, semáforos, entre outros.

Um dos exemplos de tecnologias que a empresa está trabalhando é o Roadword Assist, que por meio de câmeras, é capaz de gerar uma visualização 3D da estrada à frente e detectar quando o veículo se aproxima do início de um trecho em obras e identificar o caminho ideal e mais seguro entre lugares em construção e contrafluxos.

Já o Pullaway Safe será capaz de identificar objetos, como outros veículos ou paredes, e monitorar os níveis de aceleração do veículo ou mesmo a marcha atual, julgando se há risco de colisão e podendo acionar automaticamente os freios e enviar um aviso sonoro de perigo ao motorista.

No caso do Over Horizon Warning, o objetivo é fazer com que os automóveis sejam capazes de se comunicar de forma independente entre si para que motoristas e carros autônomos possam ser avisados dos perigos e obstáculos ao longo do caminho ou em curvas cegas.

E para facilitar o caminho ambulâncias, carros de polícia ou carros de bombeiros, a empresa também testará o Emergency Vehicle Warning, que faz com esses veículos citados emitam alertas para que os demais condutores liberem o tráfego para emergência ou tomem decisões com maior antecedência antes mesmo de ouvir as sirenes ou visualizarem as luzes de alerta de uma ambulância, por exemplo.

Fotos: Divulgação