O Brasil não foi a primeira experiência da Volkswagen com picapes pequenas. No final dos anos 1970, a VW dos Estados Unidos apresentou uma versão derivada do Golf Mk1, que por lá se chamava Rabbit, nome também escolhido para o modelo com caçamba.

A Rabbit picape foi produzida em solo americano de 1978 a 1984, com as opções de motores a diesel 1.5 litro e gasolina 1.7 litro. Para muitos jovens do país, a Rabbit foi o primeiro carro.

Em 1982, o projeto norte-americano desembarcou na Europa com um novo nome: Caddy, nas variações caçamba aberta ou fechada (também chamada de van). A VW oferecia a opção de motor 1.5 litro a diesel e 1.5 ou 1.8 litro a gasolina, com potência entre 60 e 90 cv.

Enquanto a primeira geração chegou ao fim nos Estados Unidos em 1984, na Europa permaneceu até 1992, quando deu lugar a segunda, além de ter passado por outras duas apenas na configuração van. Nos dias atuais, a sua produção continua firme e forte.

A primeira picape do Brasil

Voltemos para o final dos anos 1970 no Brasil, onde a Fiat mostrava o seu pioneirismo com o lançamento da primeira picape derivada de um automóvel em solo brasileiro, a 147 Pickup. Embora fosse pequena, a picape agradava os consumidores que procuravam por algo que fosse econômico e que pudesse transportar cargas, principalmente nas cidades. Durante quatro anos, a marca italiana reinou absoluta no novo segmento — a Volkswagen só apresentaria a sua versão em 1982, chamada de Saveiro e derivada do Gol.

A Saveiro, nome de um tipo de barco existente no nordeste que transporta pessoas e carga, possuía uma capacidade de carga de 570 kg. Ela era maior que o modelo da Fiat e exibia um visual bem atraente, cuja inspiração era claramente o Caddy (ou Rabbit) norte-americano.

Com uma mecânica considerada barata e resistente na época, a pequena picape logo se tornou líder do segmento até os anos 2000, quando a Fiat Strada a destronou. Ao longo desses trinta e quatro anos de produção, a VW Saveiro já teve cinco gerações (seguindo as mudanças do seu irmão, o Gol) com cabine simples, estendida e longa, além de uma versão van.

Com mais de três décadas de produção, a Caddy e a Saveiro mostram que este segmento continua sendo uma ótima solução para quem busca algo robusto, econômico, confortável e confiável, mesmo com as picapes médias e grandes ganhando cada vez mais terreno.

As miniaturas

Na escala 1:64 essas picapes eram até pouco tempo muito raras. Eis que a dupla de fabricantes Mattel e Matchbox decidiu entrar no jogo. A Matchbox saiu na frente e lançou a Caddy de quarta geração, além da Saveiro de quinta com cabine estendida em 2010. O modelo é simples, mas suas linhas representam bem a nossa pequena, com destaque para a caçamba que possui alguns itens sendo transportados.

Já a Hot Wheels veio com a primeira geração da Caddy no ano passado. O visual é customizado com caixas de rodas alargadas, radiador posicionado na frente da grade, teto solar sanfonado e tem um skate na caçamba, pelo fato de ela ter sido o primeiro carro de muitos jovens da época. A miniatura também possui uma construção simples, mas com um bom nível de detalhes.

Doalcey Rocha, 38 anos, é engenheiro agrônomo, professor e apaixonado por carros, miniaturas e fotografia. Também é proprietário do blogMiniaturas de Carros em Foco, voltado ao fantástico mundo das “minis”.

Fotos: Doalcey Rocha