Há dois meses, a fabricante norte-americana de carros elétricos Tesla vem passando por um momento conturbado depois que o motorista de um sedã Model S morreu em um acidente enquanto utilizava o sistema Autopilot (piloto automático que permite ao veículo trafegar de maneira praticamente autônoma). E dias depois do ocorrido, outro cliente da marca alegou que também se envolveu em um grave acidente por causa do recurso.

No entanto, uma reportagem publicada no YouTube (assista no vídeo abaixo) pelo canal de TV Inside Edition mostra que diversos donos de carros da Tesla têm arriscado as suas vidas das maneiras mais bizarras e perigosas apenas para gravar vídeos supostamente engraçados. A matéria apresenta uma compilação desses vídeos mostrando motoristas e passageiros lendo, jogando baralho e até mesmo dormindo enquanto o carro é conduzido pelo Autopilot.

Entrevistado pelo Inside Edition, o jornalista Bob Sorokanich, editor da revista Road & Track, explica que “o motorista precisa estar com mãos e pés preparados (para intervir em uma situação de emergência), pois não é possível saber quando o Autopilot não vai identificar a o que está acontecendo e pedir para o condutor assumir a direção”.

Depois do acidente que matou Joshua Brown, em maio, a Tesla divulgou um comunicado salientando as orientações que os consumidores recebem a cada vez que vão utilizar o Autopilot de seus veículos. A fabricante reforça que o condutor tem de manter as mãos no volante o tempo todo e “o controle e a responsabilidade do veículo” enquanto o sistema está sendo utilizado. A Tesla diz ainda que o carro emite alertas sonoros e visuais para certificar que o motorista está atento à condução – além de lembrar que o Autopilot ainda não está aperfeiçoado.

A Tesla foi duramente criticada por comercializar uma tecnologia ainda em fase de testes. Na época do acidente com Brown, o presidente da consultoria CarLab, Eric Noble, disse que nenhuma fabricante experiente de carros venderia uma tecnologia não testada aos seus consumidores, sem ter passado por testes mais profundos. Elas a testariam com condutores treinados, não com consumidores”.

Entenda o caso

Joshua Brown, de 45 anos, já havia postado vídeos no YouTube mostrando o uso do Autopilot de seu Model S. No dia 7 de maio, enquanto trafegava por uma estrada de mão dupla, uma carreta cruzou a pista repentinamente, impossibilitando o piloto automático de acionar os freios. O carro passou sob o implemento e só parou após se chocar contra uma cerca e um poste. Brown morreu na hora.

Segundo o motorista da carreta, Brown assistia a um filme do Harry Potter no DVD do carro, pois o equipamento continuou ligado mesmo depois do acidente. A polícia local, no entanto, não conseguiu determinar se o motorista estava realmente distraído com o filme, embora houvesse um notebook e um aparelho de DVD no interior do veículo.

Autopilot

O sistema foi disponibilizado aos consumidores da Tesla em outubro do ano passado, tornando a condução dos veículos praticamente autônoma em algumas situações. O piloto automático aciona os freios à medida que o carro se aproxima do veículo da frente, muda de faixas após o comando na chave de seta e “lê” as faixas das estradas para contornar as curvas sozinho.

O recurso conta com um radar na dianteira, uma câmera traseira e 12 sensores de longo alcance que detectam tudo nos arredores do veículo a uma distância de pouco mais de cinco metros, independentemente da velocidade.

 

Imagens: Divulgação e Reprodução