Em meio a discussão da liberação ou não do uso de diesel em carros de passeio no Brasil, a Nissan apresentou no Japão uma novidade que pode emplacar de vez uma tecnologia verde no Brasil. Trata-se do primeiro carro que funciona com energia elétrica gerada por bioetanol.

O sistema de Célula de Combustível de Óxido Sólido (SOFC, ou Solid Oxide Fuel Cell, em inglês) utiliza a reação de múltiplos combustíveis, incluindo etanol e gás natural, com a mistura do oxigênio para produzir eletricidade de alta eficiência. Diferentemente dos sistemas convencionais, o e-Bio integra a SOFC como sua fonte própria de energia, proporcionando maior eficiência de energia para dar ao veículo autonomias similares às dos carros movidos a gasolina (mais de 600 km).

Dessa forma, poderemos ter um carro movido a etanol que produz energia elétrica e anda tanto quanto um veículo movido a gasolina. Além disso, o sistema de células de combustível utiliza reações químicas com o oxigênio, gerando eletricidade sem a liberação de subprodutos, como gases poluentes.

Quando a energia elétrica é produzida por meio de um sistema de célula de combustível, o CO2 (dióxido de carbono) é geralmente emitido. Com o sistema de bioetanol, as emissões de CO2 são neutralizadas a partir do processo de cultivo da cana-de-açúcar que compõe o biocombustível, permitindo que haja um “ciclo neutro de carbono”, com aproximadamente nenhum acréscimo de CO2.

No futuro, a célula de combustível e-Bio vai se tornar cada vez mais fácil de ser utilizada. O etanol misturado com água é mais fácil e seguro de ser manuseado que outros combustíveis. Os custos de funcionamento são notavelmente baixos, beneficiando tanto o público, quanto as empresas, pois a célula de combustível e-Bio é um ajuste ideal para todos, desde carros de passeio até veículos pesados. E, no caso do Brasil, não exigiria a criação de nenhuma infra-estrutura, como acontece com o carro elétrico tradicional.

Foto: Divulgação