São nas crises que surgem as oportunidades, diria o velho ideograma chinês. E, aparentemente, é nisso que a Nissan está apostando em 2016, ano em que a marca patrocina os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Somente em 2016, a Nissan já confirmou o superesportivo GT-R, que deve ser apresentado durante a passagem de Usain Bolt pelo Brasil, ou seja, em agosto desse ano. Outro investimento que chegará ao país de maneira oficial no oitavo mês é o crossover Kicks, principal aposta da marca para o sucesso definitivo no país. Lembrando que o novo Sentra já foi revelado e avaliado pelo Carsale.Outra novidade deve ser a esteia da nova geração da Nissan Frontier, ainda sem data confirmada.

Agora, a Nissan cumpre uma velha promessa de equipar o March (que já havia ganhado a série limitada Rio 2016) e o irmão Versa com o câmbio automático do tipo CVT. Em 2015 a marca já falava dessa possibilidade como estratégia pra ampliar suas vendas.

A fabricante ressalta que esta é a segunda geração da transmissão CVT, aprimorada para garantir um comportamento mais linear que a antiga versão. Batizado de XTronic CVT, o câmbio é o mesmo usado no Sentra, Altima, Qashqai, Juke e Murano.

A nova opção de câmbio equipa apenas as versões SV e SL do March e SV, SL e Unique do Versa. Desta forma, a transmissão CVT sempre estará conectada ao motor 1.6 flex quatro-cilindros de 111 cv de potência e 15,1 kgfm de torque (gasolina ou etanol). A transmissão, que será opcional, custará R$ 4.800 a mais que as unidades com câmbio manual. A Nissan já deixou claro que não há projeto de incluir a tecnologia CVT para o motor 1.0 de três cilindros.

Sendo assim, o March mais barato com CVT custa R$ 54.090 e pode chegar a R$ 58.390. No caso do Versa, a unidade mais em conta sai por R$ 57.990. Já a variante SL sai por R$ 64.690 e o pacote Unique, que adiciona ar-condicionado digital, vidros elétricos dianteiros com um toque, rodas de 16 polegadas com acabamento escurecido e retrovisores externos com repetidor de seta pede mais R$ 1.600, chegando a R$ 66.290.

Com isso, a Nissan passa a contar com os dois modelos na lista dos carros mais baratos do Brasil com câmbio automático, podendo atrair uma fatia do mercado cada vez maior. Segundo a marca, 93% dos consumidores que compram um carro automático só trocam o modelo por outro automático. No segmento de compactos, o que detém a maior fatia do mercado, cerca de 23% das unidades vendidas já contam com algum tipo de transmissão automática.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES VERSA CVT

O Carsale teve a oportunidade de testar o Versa Unique com câmbio CVT entre o bairro da Lapa, na zona oeste da capital paulista, e a fazenda Dona Carolina, em Itatiba, interior de São Paulo. O trajeto total, de cerca de 140 km, foi dividido entre dois jornalistas. Durante o test-drive foi possível perceber que na cidade, o Versa CVT se comporta melhor que outros modelos equipados com essa tecnologia, superando, inclusive, o Nissan Sentra, Honda Fit e Toyota Corolla.

O silêncio reina dentro da cabine, enquanto o CVT simula as marchas de maneira precisa, sem trancos e indecisões na hora das ultrapassagens, garantindo um comportamento dinâmico, como acontece nas versões manuais. O giro do motor se mantém quase sempre em 1.900 rpm.

De acordo com dados da Nissan, com etanol o March 1.6 16V tem consumo de 7,8 km/l na cidade e 9,8 km/l na estrada, sendo que com gasolina faz 12 km/l na cidade e 15 km/l na estrada. Já o Versa 1.6 16V tem consumo com etanol de 7,8 km/l na cidade e 10 km/l na estrada e com gasolina 12 km/l na cidade e 14 km/l na estrada . Essas médias de consumo garantiram a nota A para os dois carros nos testes do Inmetro. No entanto, durante nosso percurso, a média do sedã foi um pouco superior, chegando a 15,8 km/l na estrada com o combustível derivado do petróleo.

A Nissan enfatiza que o câmbio CVT é específico para motor flex de porte compacto e leve. Sendo assim, a transmissão tem correia com maior capacidade de transmissão de torque, embreagens com diâmetro ampliado para melhorar a faixa de rotações e polia mais rígida para garantir a estabilidade do sistema, mantendo a potência e reduzindo atrito. A fabricante ressalta que o câmbio CVT fabricado no México e desenvolvido no Brasil proporciona sensações mais diretas ao acelerador, e redução de velocidade em descidas com utilização de freio motor.

Com o lançamento da dupla March e Versa CVT, além de novos produtos em vista, a Nissan quer aproveitar o momento instável do mercado automotivo para se firmar. E e não há motivos para duvidar que isso é possível — ainda mais olhando a lista dos futuros lançamentos da marca.

Fotos: Divulgação