Um mês e meio após o lançamento oficial do Mobi, a Fiat começou a enviar aos seus concessionários a versão com apelo aventureiro Way. Agora, com a linha completa, a marca pretende crescer o número de vendas do subcompacto.

Se em maio o Mobi conseguiu emplacar 2.400 unidades, a expectativa é de chegar a 3.500/4.000 unidades daqui para frente. Para isso, de acordo com a Fiat, a variante com apelo aventureiro é de extrema importância, uma vez que representará, no mínimo, 35% das vendas. Segundo a marca, esse índice pode atingir até 50%.

Com a chegada do Mobi Way às lojas, a Fiat convidou alguns jornalistas para irem até a Fazenda Capoava, no interior de São Paulo, para reforçar alguns pontos da versão recém-lançada.

NÃO É MINI-UNO

O primeiro ponto abordado pela Fiat foi deixar claro que não se trata de um mini-Uno. Para comprovar isso, revelou todas as alterações feitas na plataforma e carroceira do Mobi. Segundo a marca italiana, apenas 30% das peças usadas no Mobi são provenientes do Uno ou Palio.

A Fiat também aproveitou pra ressaltar que este é o menor veículo produzido no Brasil, o que reforça sua função urbana. Além disso, fez questão de enfatizar que o espaço para o motorista no Mobi é maior que no principal concorrente, o VW up!.

Aliás, assim que lançado, o Mobi Way enfrentou no Carsale um comparativo com o Cross up!, sendo que o compacto da marca alemã venceu o embate, especialmente pelo conjunto mecânico. Porém, o Mobi sai na frente em termos de equipamento e preço um pouco abaixo do rival.

Uma questão que sempre preocupa os consumidores é a segurança. O up!, testado com as regras antigas, recebeu cinco estrelas nos testes do Latin NCAP, sendo que o Palio, do qual o Mobi herda parte da estrutura, recebeu quatro. Com isso, a Fiat afirma que hoje o subcompacto Mobi conseguiria, no mínimo, três estrelas mesmo com as mudanças na regras.

Por fim, a Fiat demonstrou a capacidade fora de estrada do Mobi. Obviamente não é um carro voltado para off-road, no entanto, os 15 mm a mais de elevação em relação ao solo fazem bem ao pequeno. Desse jeito, a suspensão trabalha bem e suaviza bem os chacoalhões dentro do veículo.

O Mobi passará a fazer mais sentido no portfólio da Fiat com a próxima reestilização do Uno. Se hoje os irmãos estão muito próximos, eles devem se distanciar em breve. Assim que o Uno mudar, seu patamar deverá subir, inclusive em termos de motorização — espera-se que a gama ganhe um motor 1.0 de três cilindros. Durante o evento, a Fiat afirmou que o novo motor de três cilindros virá ao Brasil, mas não para o Mobi.

Nos próximos meses a Fiat deve fazer o lançamento do sistema Live On, que transforma o smartphone em central multimídia. A partir daí, a empresa acredita que terá todas as armas para emplacar de vez o Mobi.

Fotos: Divulgação