O carro pode ser novo ou bastante rodado, mas a visita à oficina é sempre necessária. Porém, muitas vezes, por falta de conhecimento ou na tentativa de economizar, nem sempre o proprietário do veículo faz a melhor escolha.

Embora o preço seja um fator de peso, utilizar apenas este critério na hora de escolher uma oficina pode afetar diretamente na manutenção, desgaste e até mesmo na segurança dos passageiros. “Estrutura, equipamentos de qualidade, profissionais capacitados e boas ferramentas são itens que devem ser notados pelo motorista assim que entrar em uma oficina mecânica. Desta forma, é possível analisar de que forma o seu carro será tratado”, explica Gerson Burin, coordenador técnico do Cesvi Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária).

Uma boa dica para quem está na dúvida é procurar a placa do Cesvi nas oficinais que visitar, já que a instituição realiza avaliações em oficinas de reparação de funilaria e pintura de todo o Brasil, com a classificação de 1 a 5 estrelas — quanto melhor a classificação, mais estrelas o estabelecimento recebe. São levadas em consideração para gerar a nota questões de estrutura, ferramentas disponíveis e qualificação dos profissionais. Confira abaixo outras dicas do Cesvi.

    • Antes de autorizar o conserto, é importante que o motorista solicite um documento relatando as condições gerais do carro, como a quilometragem e o nível de combustível. Esta medida ajuda o motorista a certificar-se que não houve novos danos, como amassados, riscos na pintura e até mesmo equipamentos quebrados.
    • Verifique se a oficina está regularmente estabelecida e age de acordo com o art. 21 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que protege os consumidores de serem enganados com peças falsas ou de segunda mão.
    • Observe também a limpeza dos veículos que estão em conserto e certifique-se de que há o cumprimento das datas de início e término dos serviços que gostaria de contratar.

Foto: Divulgação