A Ford anunciou, nesta quarta-feira (25), que a partir de junho o New Fiesta terá uma versão equipada com o moderno motor 1.0 EcoBoost, prometendo números expressivos de consumo e desempenho para um propulsor de apenas três cilindros, porém, dotado de turbocompressor e injeção direta de combustível.

Durante a apresentação, a Ford enfatizou que o 1.0 EcoBoost é 20% mais econômico que o bloco de quatro cilindros 1.6 aspirado que já equipa o New Fiesta. Levando em consideração os dados do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do Inmetro, é possível presumir que o novo motor poderá ser mais econômico que o elogiado 1.0 TSI do Volkswagen up!, uma das atuais referências em eficiência.

De acordo com os dados da entidade o New Fiesta equipado com motor 1.6 e câmbio PowerShift tem médias de 11,7 km/l na cidade e 14,1 km/l na estrada quando abastecido com gasolina. Já o up! TSI faz 13,8 km/l em ciclo urbano e 16,1 km/l em regime rodoviário com o mesmo combustível. Contabilizando a melhoria de 20% anunciada pela Ford, o 1.0 EcoBoost teria consumo de 13,9 km/l e 16,9 km/l, na cidade e na estrada, respectivamente.

Se estes números forem confirmados pela Ford e pelo Inmetro, o New Fiesta 1.0 EcoBoost ficaria atrás apenas do Peugeot 208 1.2 Puretech (15,1 km/l na cidade e 16,9 km/l na estrada). Os números considerados são apenas com o uso de gasolina, o único combustível consumido pelo motor EcoBoost.

Outra metodologia utilizada pelo Inmetro para aferir a eficiência dos motores é o Consumo Energético, medido em Megajoules por quilômetro (MJ/km). Atualmente, a marca do up! TSI é de 1,44 MJ/km, enquanto do Fiesta 1.6 é de 1,71 MJ/km. Seguindo a mesma referência, se o novo propulsor trouxer 20% de melhoria, a nota do hatch da Ford com o motor 1.0 EcoBoost será de 1,37 MJ/km. O Peugeot 208 1.2 Puretech ostenta a marca de 1,32 MJ/km.

Para se ter uma ideia melhor do quanto isso representa, o New Fiesta 1.6 faz, em média, 12,9 km/l no ciclo combinado (50% na cidade e 50% na estrada). Multiplicando esse valor pela capacidade do seu tanque (51 litros) chegamos a uma autonomia de quase 658 quilômetros. Se a média de 15,4 km/l do novo propulsor for confirmada, a sua autonomia chegará a 785 km.

Vale ressaltar que estes números não são oficiais e o consumo do veículo varia de acordo com diversos fatores (qualidade do combustível, modo de condução do motorista, condições da pista de testes, do clima, etc).