Agora é oficial, o novo Chevrolet Cruze chegará ao Brasil no segundo semestre. Ao menos é o que promete a fabricante. A nova geração do modelo, em sua versão “Mercosul”, foi apresentada hoje na Argentina. Com investimento de US$ 750 milhões, o modelo será fabricado no país vizinho e importado para o Brasil.

No mercado argentino, o Cruze contará com as versões: LT manual, LTZ manual, LTZ automática e LTZ Plus automática. E, assim como no Brasil, todas as versões conta com o novo motor 1.4 16V dotado de turbo e injeção direta de combustível. Com gasolina, o motor rende 150 cv e entrega 25 kgfm de torque a 2 mil rpm, portanto, com adaptação para etanol, podemos esperar números um pouco maiores. A transmissão será sempre de seis marchas, tanto manual quanto automática na Argentina, por aqui, se adotar a estratégia atual, teremos apenas modelos com o câmbio automático.

Visando o “consumo popular”, como diz a própria GM, o Cruze conta com sistema strat-stop, que desliga o motor em paradas nos faróis e congestionamentos, por exemplo. Além disso, a marca norte-americana também pensou na segurança, portanto, o sedã conta com freios ABS com EBD, controle de estabilidade ESP, airbags frontais, cinco apoios de cabeça, sistema de fixação Isofix para cadeirinhas, alerta de pressão dos pneus e faróis de neblina em todas as versões. A LTZ, topo de linha, conta com faróis laterais, alerta de ponto cego e assistente de estacionamento para vagas paralelas ou perpendiculares.

Também fazem parte dos itens de série a segunda geração da central multimídia MyLink, câmera de ré, GPS, Bluetooth e sistema de reconhecimento de voz. Dependendo da versão, o Cruze contará com ar-condicionado automático, acesso e partida por botão, partida do motor à distância e banco do motorista com ajustes elétricos. O sistema OnStar, recentemente introduzido no Brasil, também fará parte do modelo.