Após reassumir o comando da Ferrari, Sergio Marchionne, CEO da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), revelou o que muitos esperavam: a LaFerrari ganhará uma versão conversível. O executivo confirmou a informação ao site automobilemag após ser questionado sobre uma versão menos potente do superesportivo híbrido.

A notícia não é exatamente uma surpresa, uma vez que vários sites e revistas internacionais apontaram que uma variante de teto removível da LaFerrari estava sendo cogitada. As suspeitas aumentaram após a Ferrari mostrar o carro a alguns convidados em um evento restrito, em março. O modelo chega para celebrar os 70 anos do primeiro carro com o emblema Ferrari. No entanto, há indícios de que a marca lançará uma série especial em 2017, ano que marca as sete décadas do lançamento do seu primeiro modelo, o 125 S.

Serão fabricadas apenas 150 unidades da LaFerrari Spider e, provavelmente, por um preço significativamente maior em comparação à versão convencional, que teve 499 unidades produzidas e vendidas por aproximadamente US$ 1,69 milhões cada (cerca de R$ 6,76 milhões em conversão direta).

A LaFerrari Spider será equipada com mesmo conjunto mecânico da versão cupê: um bloco de 6.2 litros V12 a gasolina de 798 cv de potência a 9 mil rpm e 71,3 kgfm de torque a 6.750 rpm, auxiliado por um propulsor elétrico de 162 cv, totalizando 960 cv. A transmissão é automatizada de sete marchas e dupla embreagem. Devido à complexidade do teto removível, que exige reforços estruturais, a LaFerrari Spider será um pouco mais pesada e, consequentemente, terá desempenho ligeiramente inferior ao do cupê.

Fotos: Divulgação (convite do evento) e projeção Motor1