Para cumprir com a meta de lançar o seu primeiro carro completamente autônomo em 2020, a Ford segue realizando testes preliminares durante o desenvolvimento de novas tecnologias. Desta vez, a marca do oval azul colocou um Ford Fusion Hybrid autônomo à prova em pistas escuras do Campo de Provas do Arizona, nos EUA.

O objetivo do teste de direção cega é demonstrar que, mesmo sem câmeras que dependem de luz, os sensores Ford LiDAR são capazes de conduzir o carro em estradas cheias de curvas junto com o software de direção virtual. Veja como funciona no vídeo abaixo:

Segundo a Administração Nacional de Segurança do Trânsito dos EUA, o índice de fatalidade de ocupantes de veículos no período noturno é três vezes maior que durante o dia, o que revela a dificuldade dos motoristas em dirigir no escuro. O veículo autônomo conta com três tipos de sensores – radar, câmeras e LiDAR – e o ideal é ter todos funcionando.

No caso dos modelos da Ford autônomos que navegam no escuro, as tecnologias utilizadas são mapas 3D de alta resolução, complementados por marcações na pista e informações da geografia, topografia e referências locais como placas, prédios e árvores. O veículo usa os pulsos do sensor LiDAR para se localizar no mapa em tempo real, combinados com os dados do radar. Vale destacar que os sensores LiDAR geram 2,8 milhões de pulsos de laser por segundo para fazer uma varredura precisa do ambiente.

Depois de mais de uma década de pesquisas com veículos autônomos, a Ford busca a direção totalmente autônoma, definida pela SAE International como Nível 4, que não requer a intervenção de um motorista para assumir o controle do veículo.

Este ano, a Ford vai triplicar a sua frota de veículos autônomos de teste, com cerca de 30 Fusion Hybrid rodando em ruas da Califórnia, Arizona e Michigan, nos EUA.

Fotos: Divulgação