Inspirada pela Fiat Palio Weekend Adventure, a Volkswagen entrou na onda das peruas com fantasia off-road há pouco mais de uma década lançando a Parati Track and Field. Em 2009, a marca alemã começou a vender a SpaceCross, a variante aventureira da peruinha derivada do Fox. Com visual baseado na última reestilização do compacto, a SpaceCross tenta fazer frente aos SUVs valendo-se da aparência mais robusta. Será que ela realmente consegue fazer isso?

A receita é conhecida. Uma profusão de adereços plásticos por toda a carroceria, especialmente nos para-choques e nas molduras dos para-lamas, para deixar evidente a aspiração aventureira. Embora seja uma perua, a SpaceCross combina o estilo desse tipo de carro com algumas funcionalidades dos utilitários esportivos compactos. A suspensão, por exemplo, é 3,6 centímetros mais alta que a das versões convencionais. Essa característica permite encarar obstáculos urbanos, como lombadas e valetas, com maior desenvoltura e até mesmo a rodar por estradas de terra sem se preocupar em bater o assoalho do carro em pedras e buracos.

A experiência fora do asfalto fica mais segura graças ao sistema ABS dos freios com função off-road (quando acionado por um botão no painel, permite que as rodas travem rapidamente para criar montinhos de terra à frente dos pneus, aumentando a eficiência da frenagem), que integra o pacote do controle de estabilidade, infelizmente oferecido como opcional.

Volkswagen SpaceCross I-Motion

Teste Carsale-Mauá
 
Cidade
Estrada
0 a 100 km/h
Retomada 80 a 120 km/h
Frenagem 100 a 0 km/h
Gasolina10,5 km/l15,1 km/l13,45 segundos10,72 segundos53,7 metros
Etanol8,3 km/l11,3 km/l12,14 segundos
9,63 segundos
53,7 metros.

Em rodovias, o moderno motor 1.6 de 16 válvulas MSI da família EA211, que rende até 120 cv de potência com etanol, garante desempenho condizente para a proposta da SpaceCross. A unidade estava equipada com o câmbio automatizado I-Motion – o calcanhar de Aquiles da perua (e de outros modelos da Volks). A transmissão de cinco velocidades tem operação pouco suave, provocando trancos a cada troca de marchas. Contudo, o motorista se acostuma a esses “soluços” após vários quilômetros e consegue adaptar o seu modo de dirigir de acordo com o funcionamento do câmbio – aliviando a pressão no acelerador antes de cada troca de marchas, como se estivesse em um carro manual. Quando acionadas, as borboletas posicionadas atrás do volante deixam as trocas mais ágeis.

Na cidade, a SpaceCross mostra bom desempenho graças à boa disponibilidade dos 16,8 kgfm de torque. Segundo a Volkswagen, 85% dessa força é entregue a partir de 2.000 rpm, garantindo bons arranques e retomadas.

Na hora de acomodar os passageiros, a SpaceCross leva três adultos com tranquilidade no banco traseiro e ainda acomoda 440 litros de bagagem no porta-malas. Embora a cabine seja bem montada, os materiais do acabamento interno são um tanto simples para um carro de mais de R$ 80 mil.

Falando em equipamentos, a SpaceCross traz de série itens como controle de tração, direção elétrica, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, ar-condicionado, vidros, travas e retrovisores elétricos, computador de bordo, piloto automático, luzes de neblina, rodas de liga aro 15, sensores de chuva e crepuscular e central multimídia Composition Touch. Equipada com o câmbio I-Motion, a perua parte de R$ 82.050.

Acrescentando os opcionais – pintura metálica (R$ 1.370); o pacote com a central multimídia Discover Media com GPS e App-Connect e teto solar (R$ 5.049); controle eletrônico de estabilidade com função off-road (R$ 1.380); bancos revestidos de couro (R$ 800) – a SpaceCross chega a exagerados R$ 91.009.

Ultrapassando os R$ 90 mil, a SpaceCross acaba invadindo a faixa de preços de modelos de segmentos superiores e até mesmo rivalizando com a outra perua oferecida pela Volkswagen no Brasil: a Golf Variant, elaborada a partir de um projeto mais refinado e equipada com o moderno motor 1.4 turbo a gasolina de 140 cv de potência e 25,5 kgfm de torque (parte de R$ 86.590 na versão Comfortline com câmbio manual de seis marchas ou R$ 93.600 com a caixa automatizada DSG de sete velocidades). Embora a SpaceCross seja espaçosa e versátil, fica difícil defender (e compreender) a sua compra diante de uma tabela tão elevada.

Fotos: Renan Rodrigues

Preço
R$ 91.009
MotorDianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16V, comando duplo, flex
Cilindrada1.598 cm³
Potência (Etanol/Gasolina)120/110 cv a 5.750 rpm
Torque (Etanol/Gasolina)16,8/15,6 kgfm a 4.000 rpm
TransmissãoAutomatizada de cinco velocidades
DireçãoElétrica
SuspensãoIndependente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
FreiosDiscos ventilados na frente e tambores atrás
Pneus205/55 R15
Comprimento4,20 m
Largura1,90 m
Altura1,62 m
Entre-eixos2,46 m
Tanque50 litros
Porta-malas440 litros
Peso1.182 kg