A Volkswagen Kombi é um elemento crucial da história automotiva. Produzido entre 1950 e 2013, o modelo foi adotado pela cultura “hippie” e está entre os carros que praticamente todos os entusiastas gostariam de ter em suas garagens. Com isso em mente, um mecânico indonésio construiu um exemplar com 7,6 metros de comprimento, possivelmente o mais longo do mundo.

Wahyu Pamungkas foi auxiliado por uma equipe de 30 trabalhadores, mas ainda assim foi necessário um ano inteiro de trabalho e cerca de US$ 30 mil para a modificação do veículo.

Antes de mais nada, o mecânico cortou duas kombis ao meio e as soldou, incluindo a modificação do chassis. Para empurrar o peso adicional, o motor boxer de 1.5 litro foi substituído por outro mais potente de 2.0 litros. Por fora, a Kombi ganhou a tradicional pintura bicolor “saia e blusa” e rodas de liga leve BBS. O interior, capaz de acomodar 20 pessoas em assentos laterais, possui também um minibar.

De acordo com o jornal britânico Daily Mail, está é a segunda criação do indonésio. Em 2009, ele produziu um modelo de 6,9 metros de comprimento e o vendeu a um australiano por US$ 16.065. Durante o período de produção da Kombi original, a Volkswagen entregou mais de 10 milhões de unidades. O veículo só saiu de linha em 2013 no Brasil por conta da nova legislação, que exige airbags frontais e freios com ABS nos veículos novos produzidos no país.

Fotos: Daily Mail