Além da queda de 25,6% nas vendas, o mercado brasileiro de automóveis também será lembrado por um cenário mais equilibrado entre as fabricantes, sentido principalmente por três das quatro marcas consideradas “grandes” no país.

Líder do mercado, a Fiat representava, em 2014, 20,97% de participação no mercado de automóveis e comerciais leves. No ano passado, entretanto, a marca italiana viu esse número cair para 17,73%. A segunda colocada, a General Motors, sofreu uma retração de 17,39% para 15,66% no mesmo período. Já a Volkswagen, envolvida em um dos maiores escândalos do setor automotivo, viu a sua participação de mercado cair de 17,32% para 14,51%.

A única “grande” a registrar crescimento em 2015 foi a Ford, cuja participação no mercado subiu de 9,26% para 10,24%.

As demais marcas presentes entre as dez que mais venderam apresentaram crescimento em suas respectivas participações. A Hyundai saltou de 7,12% para 8,26%, superando a Renault, que subiu de 7,13% para 7,33% – agora, essas marcas ocupam a quinta e a sexta colocações, respectivamente.

Entre as japonesas, a Toyota passou de 5,87% para 7,10%, mantendo-se na sétima posição. Já a Honda permaneceu na oitava colocação, porém com um crescimento de 4,14% para 6,19%. A Nissan se manteve em nono lugar com um pequeno crescimento (2,17% para 2,47%).

A novidade ficou justamente com a décima posição: graças ao sucesso do Renegade, a Jeep chegou a 1,69% de participação e tomou o posto que pertenceu à Mitsubishi em 2014. A marca japonesa, junto com a Citroën, Peugeot e fabricantes chinesas, somaram 9% de participação em 2015.