A última rodada de testes de segurança do Latin NCAP em 2015 trouxe bons resultados para modelos vendidos no Brasil. Destaque para a nova geração da Toyota Hilux, fabricada na Argentina, a picape recebeu cinco estrelas para a proteção de adultos e crianças.

Segundo a entidade, a estrutura do veículo possui boa resistência a impactos e os airbags de série, aliados aos cintos de segurança, garantem boa proteção para o impacto frontal. O bom resultado obtido para a proteção infantil se deve aos cintos de segurança de três pontos em todas as posições, ancoragens ISOFIX para as cadeirinhas e a possibilidade de desativar temporariamente o airbag do passageiro na hora de transportar crianças em dispositivos específicos.

Já o SUV RAV4, também recebeu cinco estrelas para a proteção de adultos, porém, ficou com quatro para a proteção infantil. A entidade não explicou os motivos pela diferença. A unidade testada pelo Latin NCAP é fabricada no Japão.

A Mitsubishi Pajero Sport, fabricada na Tailândia e vendida em outros países da América Latina, atingiu as cinco estrelas para a proteção de ocupantes adultos e três para a proteção de crianças. Durante os testes, o boneco que simulava uma criança de 18 meses de idade recebeu boa proteção, mas a cabeça do boneco que estava no lugar de uma criança de três anos bateu contra o encosto do banco do motorista, causando perda de pontos. O encosto do banco traseiro se soltou durante o teste. O veículo oferece ancoragens ISOFIX na segunda fileira de bancos e cintos de segurança de três pontos em todas as posições. O modelo fabricado e comercializado no Brasil não foi avaliado.

O Hyundai Creta, SUV compacto feito na Índia e que deverá ser fabricado no Brasil nos próximos dois anos, conseguiu quatro estrelas para a proteção dos adultos e três estrelas para as crianças. Como a legislação na Índia é diferente da aplicada em diversos países da América Latina, o modelo não conta com freios com ABS de série e alerta de cinto de segurança do passageiro. Além disso, o carro não passou pelo teste de impacto lateral, limitando a avaliação. Vale lembrar que o sistema ABS (antitravamento) e o controle eletrônico de estabilidade são itens de série em alguns concorrentes que o Creta terá no Brasil.

O Nissan March, fabricado no Brasil, decepcionou na proteção de crianças. O compacto não conta com o sistema ISOFIX e nem com a desativação temporária do airbag do passageiro da frente. Por não oferecer cintos de três pontos ao passageiro traseiro do meio, o modelo recebeu apenas uma estrela no quesito proteção infantil. Porém, para os adultos, a proteção alcançou quatro estrelas. Segundo o Latin NCAP, o modelo mostrou evolução na estrutura quando comparado com o teste de 2011.

O sedã compacto da fabricante japonesa, o Versa, também passou pelos testes de impacto. As mesmas quatro estrelas que foram dadas ao March, premiaram o dois-volumes. Segundo os resultados dos testes, as cabeças dos adultos foram bem protegidas, bem como a região torácica. Enquanto isso, a avaliação deu apenas duas estrelas para a proteção de crianças. As justificativas são as mesmas do March.

O Volkswagen Fox, fabricado no Brasil, ganhou quatro estrelas em relação à proteção aos ocupantes adultos e duas estrelas para a proteção infantil. O veículo oferece boa proteção para a cabeça de ambos os passageiros dianteiros. Proporciona, também, boa proteção para a região torácica do acompanhante e do condutor. O modelo costumava ser exportado para a Europa com itens como ISOFIX, controle eletrônico de estabilidade (ESC), airbags laterais para a proteção lateral, enquanto a versão nacional não contava com esses itens como equipamento básico. As duas estrelas para o ocupante infantil se devem às ausências das ancoragens ISOFIX, dos cintos de segurança de três pontos em todas as posições e de não permitir a desativação temporária do airbag do passageiro dianteiro.

Além dos testes, o Latin NCAP deixou um aviso: os testes de segurança serão mais rigorosos a partir de 1º de janeiro. O controle de estabilidade será um requisito para a obtenção de quatro ou cinco estrelas. Em conjunto com a Proteste, a entidade está se mobilizando para que o item seja obrigatório a partir de 2017 em todos os veículos novos comercializados no Brasil.

Para obter uma avaliação máxima com cinco estrelas, o veículo terá de atender às seguintes condições: obter ao menos 27 dos 32 pontos possíveis nos testes, controle eletrônico de estabilidade (ESC) e aprovação no teste de poste. Além disso, tecnologias mais avançadas, como sistema de proteção a pedestre e frenagem automática de emergência, serão premiadas à parte.